Reunião entre Lula e Chávez termina sem avanços na área de integração energética

A reunião entre os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Hugo Chávez, nesta sexta-feira, na capital da Venezuela, terminou sem avanços na área de integração energética. O encontro ocorreu na sede da petroleira PDVSA, em Caracas, e serviu para o anúncio de pequenas parcerias bilaterais e de um acordo de compra de gás venezuelano que só terá resultados práticos em 2013.

BBC Brasil |

Nenhum avanço sobre os projetos da Petrobras com a estatal venezuelana foi apresentado.

Ao longo da semana, assessores do governo venezuelano e representantes do Itamaraty sugeriram que poderia ser anunciada nesta sexta-feira a resolução para o impasse em torno de pelo menos dois projetos - sobre uma refinaria em Recife, no Brasil, e sobre a participação da Petrobras em exploração na faixa petrolífera do Orinoco, na Venezuela.

Segundo Lula, a demora "se deve ao fato de que são duas empresas grandes e poderosas e estão estabelecendo denominadores comuns para fechar o acordo".

O presidente também afirmou que, no projeto conjunto de exploração e produção de petróleo pesado no campo de Carabobo 1, na faixa do Orinoco, a Petrobras, em vez de entrar sozinha com 10%, como previsto anteriormente, quer participar do processo licitatório com as outras empresas.

Projetos
Desde 2005, os cinco projetos que a Petrobras anunciou como possibilidade de parceria com a PDVSA não saíram do papel.

Nem mesmo o mais adiantado desses projetos, a refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, tem a parceria definida.

Há três meses, em um encontro dos dois presidentes em Recife, foi assinado um acordo de associação entre a PDVSA e a Petrobras. No entanto, os estatutos sociais, o acordo de acionistas e o contrato de compra venda de petróleo ainda precisam ser elaborados.

Uma assessora da Petrobras disse à BBC Brasil que a empresa "prefere analisar com calma os contratos antes de fechar o acordo e não poder voltar atrás".

Acordos
Durante a visita de Lula à Venezuela foram assinados 21 acordos - oito entre os governos e o restante entre empresas brasileiras e venezuelanas.

Os presidentes firmaram um acordo que prevê a extensão da rede de abastecimento energético das hidrelétricas de Guri e Tucurui Belo Monte que poderá gerar entre 2 mil e 3 mil megawatts (MW).

O projeto se tornará viável após a construção do chamado Linhão Tucuruí-Manaus-Macapá, ainda em fase de leilão, de 1.829 quilômetros de linhas de transmissão, que deverá conectar a região amazônica ao resto do país.

Lula e Chávez também assinaram um protocolo de intenções para que a Petrobras compre, futuramente, GNL (Gás Natural Liquefeito) da PDVSA.

Durante a reunião, foi também exibido um vídeo sobre as obras do complexo de produção e polietileno e polipropileno no estado Anzoategui, onde a Braskem desenvolve dois empreendimentos com a petroquímica venezuela Pequivem, em um projeto no valor de US$ 5,4 bilhões.

Parceiro comercial
O Brasil é o terceiro sócio comercial da Venezuela, atrás apenas dos Estados Unidos e da Colômbia. As exportações do Brasil à Venezuela representam 17% do superávit comercial brasileiro.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, no ano passado o Brasil exportou para a Venezuela mais de US$ 4,7 bilhões. As exportações venezuelanas ao mercado brasileiro somaram US$ 345 milhões.

O encontro bilateral desta sexta-feira foi o quarto entre Lula e Chávez desde setembro, quando os dois presidentes acertaram que se reuniriam a cada três meses. O próximo encontro está marcado para setembro, no Brasil.

    Leia tudo sobre: lula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG