BERLIM - Sob o comando da chanceler alemã, Angela Merkel, a dupla formada pela União Democrata-Cristã e a União Social-Cristã da Baviera (CDU/CSU) se proclamou hoje vencedora das eleições gerais na Alemanha e poderá governar com seu aliado natural, o Partido Liberal (FDP).

¿ O complexo sistema eleitoral das legislativas alemãs


Segundo projeções divulgadas às 15h de Brasília, a CDU/CSU obteve 33,9% dos votos, 1,3 ponto percentual a menos do que nas eleições de 2005 e o pior resultado para a legenda desde 1953.


EFE
EFE
Chanceler Angela Merkel votou em Berlim


Muito mais dramática foi a queda de votos do Partido Social-Democrata (SPD), do candidato à chefia do Governo alemão e ministro de Assuntos Exteriores, Frank Walter Steinmeier, que deve ficar com 23,1% dos votos. Isso representa uma queda de mais de 11 pontos percentuais abaixo dos resultados de 2005 e um recorde negativo para a legenda.

Enquanto Merkel se proclamava vencedora e anunciava que governará com o FDP, Steinmeier admitia sua amarga derrota e a passagem para uma oposição que, segundo ele, será "dura".

Enquanto as forças majoritárias parecem ter seus piores resultados em décadas, os partidos pequenos tiveram seus melhores desempenhos nas urnas alemãs.

Neste domingo, as projeções apontam que o FDP ficou com 14,6% dos votos; Os Verdes tiveram 10,2%; e A Esquerda, 12,9%.

Na comparação com 2005, o FDP teve 4,8 pontos percentuais a mais de votos; A Esquerda ganhou 4,2 pontos percentuais, enquanto Os Verdes cresceram 2,1 pontos percentuais na preferência do eleitorado.

De acordo com esses dados, a dupla CDU/CSU e o FDP, liderado por Guido Westerwelle, obteriam 320 cadeiras em um Parlamento com 616 assentos, enquanto SPD, Verdes e Esquerda somados ficariam com 296 cadeiras.

A participação eleitoral caiu para 72%, cinco pontos percentuais a menos do que em 2005. Leia mais sobre: Alemanha

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.