Resultado de autópsia de Jackson é mantido em segredo pela polícia

A autópsia no corpo de Michael Jackson foi encerrada e os resultados deverão ser mantidos em segredo pela polícia de Los Angeles até que a investigação sobre sua morte seja concluída. Os exames toxicológicos foram concluídos, mas o legista assistente Ed Winter não informou quando estes resultados serão divulgados.

BBC Brasil |

Em sua página na internet, a polícia de Los Angeles informa que as investigações sobre as circunstâncias da morte do cantor continuam.

"O Departamento de Polícia de Los Angeles pediu que as descobertas (feitas) na autópsia de Jackson, que dizem respeito à causa e à forma da morte, permaneçam confidenciais."
"A extensão das medidas de segurança vai ajudar a manter a integridade da investigação e permitirá que os investigadores da Divisão de Homicídios do Departamento de Polícia de Los Angeles continuem com sua investigação", afirma a declaração da polícia.

Os exames devem mostrar que o cantor estava usando muitos remédios quando morreu no dia 25 de junho.

A polícia já fez buscas nas instalações da clínica de Conrad Murray, o médico que estava na casa do cantor e tentou ressuscitá-lo antes da morte de Jackson, que sofreu uma parada cardíaca no dia 25 de junho.

Murray ajudou os policiais nas buscas realizadas em seu consultório em julho, que resultaram na apreensão de vários medicamentos e discos rígidos de computadores.

O médico não é considerado suspeito, mas os registros da Justiça confirmam que Murray foi identificado como alvo de uma investigação de um possível homicídio culposo sobre a morte do cantor.

Filme
O plano para lançar um filme baseado nos últimos ensaios para a série de concertos que faria na O2 Arena em Londres foi aprovado por um juiz de Los Angeles.

A proposta teve várias objeções da parte da mãe do cantor, Katherine Jackson, pois ela temia que os três filhos do cantor aparecessem nas imagens.

Mas a AEG Live, promotora dos shows, informou que as crianças não foram incluídas nas gravações.

O filme deve ser lançado em outubro e 90% dos lucros devem ir para o espólio do cantor.

O longa será lançado em 3D e também irá incluir entrevistas com amigos e colaboradores de Michael Jackson.

"Estas gravações históricas da última vez que ele cantou e dançou no palco mostram o artista lendário de uma forma muito forte, com imagens e sons claros", afirmou Michael Lynton, diretor da Sony Pictures Entertainment, que teria oferecido US$ 50 milhões pelos direitos de distribuição do filme.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG