Restos mortais de vítimas do 11 de setembro são identificados 8 anos depois

Nova York -O Instituto Legista de Nova York identificou os restos de duas vítimas do atentado contra as Torres Gêmeas do World Trade Center em 11 de setembro de 2001, há mais de oito anos, informou hoje a imprensa local.

EFE |

Os restos identificados através de amostras de DNA correspondem a duas mulheres, cujos nomes não foram divulgados a pedido de seus familiares.

Uma das identificações aconteceu depois que os legistas realizaram uma nova série de provas em restos mortais que já tinham sido previamente examinados, explicou o diário "Daily News" em sua página na internet.

O rotativo explicou, ainda, que o outro caso se trata de restos descobertos em uma segunda inspeção da "zona zero", acontecida depois que, em 2006, foram encontrados ossos humanos dentro de um poço de uma companhia elétrica que tinha ficado soterrada.

Desde então foram identificadas 25 pessoas e foram elaborados outros 27 perfis de DNA. Estes últimos ainda não foram relacionados com as amostras de material genético disponibilizadas por familiares das vítimas.

Apesar de o atentado ter sido realizado há tanto tempo, o Instituto Legista ainda não conta com amostras de DNA de todas as 2.752 pessoas que morreram no atentado contra as Torres Gêmeas.

Até o momento, as autoridades identificaram 1.626 vítimas do ataque, na maioria dos casos através de provas de DNA, radiografias de dentaduras ou marcas pessoais, como tatuagens.

Leia mais sobre: 11 de setembro

    Leia tudo sobre: 11/09eua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG