Restos de histórico dirigente sindical argentino são identificados

Buenos Aires, 14 dez (EFE).- O Governo da Argentina anunciou hoje a identificação dos restos mortais de Jorge Di Pascuale, o dirigente sindical mais importante sequestrado e assassinado na última ditadura, que durou de 1976 a 1983, segundo o secretário de Direitos Humanos argentino, Eduardo Luis Duhalde.

EFE |

Ao fazer o anúncio, Duhalde definiu o dirigente como "uma figura emblemática do sindicalismo combativo" e assegurou que a identificação de seus restos é "uma vitória de todos, até do próprio Di Pascuale, que reaparece para dar testemunho de sua luta".

Visivelmente emocionado, o funcionário lembrou que Di Pascuale, sequestrado pelo regime militar no dia 29 de dezembro de 1976 diante de sua família, começou desde muito jovem a formar sua personalidade de dirigente sindical.

Em 1958, segundo ele, foi eleito secretário-geral do sindicato de farmacêuticos, a partir de onde se tornou referências de grêmios históricos do peronismo.

Em 1963, Juan Domingo Perón, que governou a Argentina de 1946 a 1955 e de 1973 a 1974, designou Di Pascuale "delegado pessoal para países socialistas", ressaltou Duhalde.

Carlos Somigliana, da equipe argentina de antropologia legista, disse que os restos do dirigente foram encontrados entre os que foram exumados entre 1988 e 1992 do cemitério municipal da cidade de Avellaneda, próxima a Buenos Aires. EFE cw/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG