Responsável do Acnur condena assassinato de funcionário no Paquistão

Genebra, 16 jul (EFE).- O alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Guterres, mostrou hoje sua indignação pelo assassinato de um membro dessa agência da ONU no Paquistão.

EFE |

O trabalhador do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) Zill-e-Usman morreu hoje após receber um tiro de um grupo de pessoas não identificadas no acampamento de Kacha Garhi, na cidade de Peshawar.

No incidente, também morreu um guarda do Comissariado de Refugiados Afegãos e ficou ferido outro membro do Acnur, que se encontra em um hospital próximo, em situação estável.

Aparentemente, quatro ou cinco homens armados abriram fogo contra Usman, quando este se dirigia ao carro após realizar uma visita de rotina ao centro.

O alto comissário enviou seus "mais sentidos pêsames" à família do falecido e disse que "não existe justificativa alguma para os ataques a trabalhadores humanitários que se dedicam à proteção e ao cuidado dos mais vulneráveis".

Destacou que Usman, de 59 anos, era "um respeitado membro da localidade e um dos funcionários locais mais antigos do Acnur no Paquistão".

Atualmente, Usman trabalhava na repatriação de pessoas deslocadas após um conflito por zonas que explodiu nas tribos do Paquistão em agosto de 2008. EFE mrm/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG