Resgate dos corpos de mineiros da Nova Zelândia pode levar meses

Primeiro-ministro cobra respostas sobre acidente que matou 29 trabalhadores na mina de Pike River

iG São Paulo |

O primeiro-ministro da Nova Zelândia, John Key, afirmou nesta quinta-feira que o resgate dos corpos dos 29 homens que morreram na mina de Pike River pode levar meses. Os mineiros, que ficaram seis dias presos, considerados mortos na quarta-feira, após uma segunda explosão de gás dentro das galerias.

Key indicou que no interior dos poços ainda há elevadas concentrações de gases voláteis. "O resgate tem que ser feito de modo que seja seguro para aqueles que realizarem esta missão", acrescentou Key, que viajou a Greymouth para prestar solidariedade aos familiares das vítimas.

A Nova Zelândia vive nesta quinta-feira um dia de luto, com as bandeiras a meio mastro, enquanto as autoridades iniciam várias investigações para esclarecer as causas do acidente.

"Necessitamos de respostas sobre o que aconteceu em Pike River. É evidente que algo deu terrivelmente errado e custou a vida de 29 pessoas", disse o primeiro-ministro.

Autoridades chegaram a enviar sondas com câmeras para o interior da mina, mas nenhum sinal de vida foi encontrado desde a primeira explosão, na sexta-feira. Os mineiros presos tinham idades entre 17 e 62 anos, sendo 24 neozelandeses, dois australianos, dois britânicos e um sul-africano.

Com AP e EFE

    Leia tudo sobre: nova zelândiamineirosresgatecorpos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG