Reservas da China ultrapassam US$ 2 trilhões

As reservas em moeda estrangeira da China alcançaram a marca de US$ 2,13 trilhões em junho - um aumento de 17,84% em relação ao mesmo período do ano passado- informou nesta quarta-feira o Banco Central do país. Somente na primeira metade deste ano a China acrescentou US$ 185,6 bilhões às suas reservas.

BBC Brasil |

Entre janeiro e junho de 2008, no entanto, o acúmulo havia sido de algo em torno de US$ 280 bilhões. Apesar de a China vir registrando queda nas exportações desde o começo do ano, apenas no mês passado, junho, o país conseguiu elevar as suas reservas em US$ 42,1 bilhão, um montante US$ 30,2 bilhões superior em relação a junho de 2008. As vendas ao exterior desaceleraram 21,8% de janeiro a junho em comparação ao primeiro semestre do ano passado. A forte queda nas importações e a retomada do fluxo de entrada de investimento estrangeiro direto contribuíram decisivamente para o saldo positivo na balança comercial, fonte de divisas para o acúmulo de reservas. InvestimentoDona das maiores reservas do mundo, a China investe cerca de um terço desse montante em títulos do governo norte-americano. Segundo dados da Secretaria do Tesouro dos Estados Unidos, em abril de 2009 a China possuía US$ 763,5 bilhões em títulos da dívida americana. De acordo com as estatísticas do governo americano, a China é atualmente a maior credora de Washington, seguida pelo Japão, que detém US$ 685,9 bilhões em títulos. A China conquistou a liderança em setembro do ano passado, quando totalizou US$ 618,2 bilhões investidos, contra US$ 617,5 bilhões do Japão. CriseA crise mundial e a má situação da economia dos Estados Unidos têm contribuído para que o dólar não se mostre um retorno eficiente aos chineses. Os lideres do partido comunista já expressaram insegurança quanto à moeda americana e disseram querer diversificar os investimentos, diminuindo a dependência do dólar. Em março, o primeiro-ministro Wen Jiabao pediu que Washington "garantisse a segurança dos investimentos chineses", se referindo aos títulos do tesouro. Em abril, a China se desfez de US$ 4,4 bilhões em papéis, o que puxou pra baixo a cotação da moeda americana naquele momento. Agora Pequim está mobilizando a comunidade mundial para criação de uma nova moeda, que não esteja atrelada ao desempenho econômico de apenas um país. A criação de uma moeda supra-nacional "é um objetivo antigo da China", disse o diplomata Chen Daofu, do Conselho de Estado da China, ao jornal estatal China Daily em abril, durante o encontro do G20 em Londres. Além disso a China, junto com outros emergentes como o Brasil e a Argentina, está se articulando para fazer trocas comerciais utilizando as moedas próprias nas transações. Até o momento, mais de seis países já assinaram acordos de swap, que garante a troca de remessas em moedas próprias entre os bancos centrais de ambos os lados permitindo que pagamentos internacionais sejam feitos sem o uso do dólar. Analistas acreditam que a intenção chinesa não é apenas diversificar as reservas, mas também aproveitar o mau momento econômico dos Estados Unidos para enfraquecer a importância política da moeda norte-americana.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG