Repressores argentinos são condenados à prisão perpétua

A justiça da província argentina de San Luis (centro) condenou nesta quinta-feira à prisão perpétua um ex-comandante militar e quatro policiais por crimes de lesa humanidade cometidos durante a última ditadura (1973-1983), informou uma fonte judicial.

AFP |

"A decisão mostra que os responsáveis por crimes de lesa humanidade devem receber a pena que merecem por assassinar e destruir tantas famílias", disse o secretário dos Direitos Humanos, Eduardo Luis Duhalde.

Os condenados, que cumprirão a pena em prisão comum, são o ex-chefe do comando de artilharia Miguel Angel Fernández Gez, os ex-delegados Carlos Esteban Plá, Víctor David Becerra e Juan Carlos Pérez, e o cabo da polícia Luis Orozco.

Os quatro eram acusados por assassinatos e sequestros durante um regime responsável por milhares de desaparecidos, torturados e exilados.

Desde a retomada dos julgamentos dos crimes cometidos durante a ditadura, após a anulação das leis de anistia, em 2003, apenas 36 repressores foram condenados.

No momento, correm na justiça 800 processos relacionados a violações de direitos humanos e 281 acusados permanecem em prisão preventiva à espera de julgamento.

jos/LR/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG