Repórteres sem Fronteiras aplaudem libertação de cinegrafista em Guantánamo

Washington, 1 mai (EFE).- A organização Repórteres sem Fronteiras se disse hoje aliviada pela libertação de um cinegrafista da televisão catariana Al Jazira, que estava preso desde junho de 2002 no centro de detenção americano de Guantánamo (Cuba).

EFE |

A "Al Jazira" anunciou hoje em Abu Dabi que seu cinegrafista sudanês Sami al-Hajj foi colocado em liberdade junto com um marroquino e outros dois sudaneses, e que chegará na madrugada de sexta-feira à capital Cartum, a bordo de um avião militar americano.

"Nossos primeiros pensamentos estão com a família de Sami al-Hajj, que conhecemos em Cartum, Sudão", declarou a organização, que promove a liberdade de imprensa, em comunicado divulgado em Washington.

"Sami al-Hajj nunca deveria ter ficado retido durante tanto tempo. As autoridades americanas nunca provaram que ele esteve envolvido em alguma atividade criminal", destacou o Repórteres sem Fronteiras.

"Esse caso é outro exemplo da injustiça que reina em Guantánamo.

O caso deveria ter sido fechado o mais breve possível", acrescentou.

Al-Hajj foi detido por forças paquistaneses em dezembro de 2001 e entregue, um mês depois, ao Exército dos EUA, que o transferiu para Guantánamo em junho de 2002.

Foi acusado de entrevistar secretamente Osama bin Laden, transferir armas para a Al Qaeda e de administrar um portal islamita na Internet. EFE ojl/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG