Renúncia de Yvo de Boer representa revés para negociações sobre clima

Ingrid Haack Berlim, 18 fev (EFE).- A inesperada renúncia de Yvo de Boer como principal responsável da ONU para a Mudança Climática representou um forte revés para as negociações sobre a redução das emissões de gases poluentes, em um momento em que, após o fracasso da cúpula de Copenhague, as esperanças estão postas na reunião de Cancún.

EFE |

"Foi uma decisão difícil, mas acho que chegou o momento de assumir um novo desafio, trabalhando sobre o clima e a sustentabilidade no setor privado e acadêmico", explicou hoje De Boer por meio de um comunicado.

Em princípio, seu cargo não expirava até setembro e ele não tinha dado sinais de que não estivesse disposto a permanecer.

O secretário-executivo afirmou que a partir de julho trabalhará como assessor para a empresa de consultoria alemã KPMG e para algumas universidades.

"Sempre defendi que, embora os Governos devam apresentar o marco político necessário, as soluções reais devem provir das empresas", disse em comunicado.

Antes de sua escolha como secretário-executivo da Convenção da ONU para a Mudança Climática, De Boer tinha trabalhado nas políticas ambientais da União Europeia como diretor-geral do Ministério do Meio Ambiente holandês.

Também foi vice-presidente da Comissão da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, onde foi assessor do Governo chinês e do Banco Mundial e trabalhou muito perto do Conselho Mundial Empresarial de Desenvolvimento Sustentável.

Em seu comunicado de despedida, De Boer evita toda crítica ao processo de negociações. Pelo contrário, ele ressalta que, embora não se tenha conseguido na cúpula de Copenhague um compromisso vinculativo, houve uma clara aposta política para um mundo com poucas emissões.

"Copenhague não nos deu um claro acordo em termos legais, mas o compromisso político de buscar um mundo de baixas emissões é irreversível. Isso exige novas cooperações com o setor empresarial e eu devo ajudar nisso", acrescentou.

No entanto, é praticamente impossível não associar sua retirada ao fracasso da cúpula, na qual De Boer ficou relegado a um segundo plano no conflito entre China e Estados Unidos, países que mais obstáculos impuseram.

De Boer tinha apostado em um acordo ambicioso, mas conseguiu apenas a vontade de continuar negociando e alguns sucessos pontuais.

Entre estes modestos resultados, está o compromisso de a comunidade internacional limitar o aquecimento global a 2 graus com relação aos níveis pré-industriais. No entanto, não há um claro objetivo de redução das emissões.

O acordo de Copenhague estabeleceu, além disso, um fundo total de US$ 10 bilhões entre 2010 e 2012 para os países mais vulneráveis a enfrentar os efeitos da mudança climática, e de US$ 100 bilhões anuais a partir de 2020 para redução das emissões e adaptação.

Por enquanto, no entanto, os países ainda não definiram como, quanto e quando devem destinar suas respectivas verbas.

Há cerca de um mês, De Boer pediu aos países industrializados a reservar suas respectivas verbas orçamentárias para este fim, destacou a Comissão Europeia.

O secretário-executivo prometeu hoje que, até abandonar o cargo, continuará com os preparativos para a próxima cúpula de Cancún, no México, no final de novembro, reunião que será precedida por uma conferência ministerial em Bonn (Alemanha) no final de maio.

O fato de que restem apenas cinco meses a seu sucessor para dar impulso final às negociações não aumenta precisamente as expectativas para Cancún. Antes mesmo de começar, a cúpula já tem poucas promessas de êxito, a julgar pelo próprio De Boer, que recentemente previu poucas chances de um tratado vinculativo. EFE ih/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG