Remédios para hipertensão de idosos reduz em 21% a mortalidade

Buenos Aires, 18 mai (EFE) - O uso de remédios para o tratamento de hipertensão em idosos de 80 anos reduz em 21% a mortalidade, revelou um estudo divulgado no marco do 16º Congresso Mundial de Cardiologia, que começou hoje na Argentina. O estudo sobre hipertensão nas pessoas mais velhas (HYVET, em inglês), realizado com mais de 3.800 pacientes hipertensos com mais de 80 anos, será analisado durante o encontro que ocorrerá em Buenos Aires até a próxima quarta-feira, com a participação de mais de dez mil profissionais de cem países.

EFE |

"As Guias Européias de Hipertensão, publicadas em 2007, apoiavam firmemente o tratamento antihipertensivo na velhice, mas reconheciam que os benefícios desse tratamento ainda não tinham sido provados em pacientes de 80 ou mais anos", explicou Alberto Zanchetti, do Centro de Fisiologia Clínica e Hipertensão da Universidade de Milão.

Por sua vez, o vice-presidente da Fundação Cardiológica Argentina (FAC), Guillermo Fábregues, afirmou que a hipertensão arterial "é o principal problema de saúde em todas as regiões do mundo".

"Recentemente foi publicado um estudo que demonstra que 7,5 milhões de pessoas morreram em 2001 em decorrência de hipertensão", ressaltou.

A hipertensão arterial é considerada um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. EFE ms/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG