Remédio contra colesterol Vytorin tem desempenho de placebo

Por Bill Berkrot e Ransdell Pierson NOVA YORK (Reuters) - O remédio contra colesterol Vytorin, comercializado pelos laboratórios Merck e Schering-Plough, não conseguiu resultados melhores que os de um placebo num estudo sobre doenças cardíacas, segundo dados divulgados na segunda-feira.

Reuters |

As ações dos dois laboratórios tiveram forte queda. As vendas do medicamento já vêm caindo desde janeiro, quando uma pesquisa mostrou que ele é tão eficaz quanto o genérico estatina, um dos seus componentes, que é bem mais barato.

No novo estudo, os usuários do Vytorin tinham mais chance de morte por câncer (39-23), mas o responsável pela pesquisa, Terje Pedersen, do Hospital Universitário Ulleval, de Oslo, disse que a diferença pode ser apenas casual.

Quanto aos benefícios cardíacos primários que eram esperados, não houve diferença significativa entre os usuários do Vytorin e do placebo, segundo Pedersen.

Um outro estudo em andamento, cuja conclusão ainda vai demorar anos, vai elucidar se a droga é realmente benéfica ou mesmo se ela é nociva.

A FDA (agência dos EUA que regula a venda de remédios) prometeu analisar os novos dados sobre o Vytorin.

De acordo com os pesquisadores, o Vytorin se mostrou superior ao placebo na prevenção a eventos ateroscleróticos (ataques cardíacos não-fatais), derrames e situações que exigissem procedimentos como pontes de safena.

Mas ele não se mostrou superior em impedir transtornos mais graves da artéria aorta -- inclusive que levassem à morte.

Durante o estudo, os pacientes que usavam Vytorin tiveram redução média de 61 por cento no LDL ('colesterol ruim').

O estudo com 1.873 pacientes tentava comprovar se um tratamento agressivo de redução do colesterol poderia reduzir a necessidade de substituição cirúrgica das válvulas da aorta, redução da morte por enfarto e redução de doenças cardiovasculares em pessoas que sofrem de estenose aórtica.

'O estudo forneceu uma resposta clara sobre se a redução de lipídios pode influenciar a causa da estenose aórtica, e podemos concluir que não', disse Petersen.

Mas ele lembrou que o estudo comprovou alguns benefícios do Vytorin na prevenção das doenças cardíacas.

As ações da Merck foram cotadas a 35,33 dólares, queda de 6,2 por cento, mas ainda acima da mínima do dia (34,77 dólares). Os papéis da Schering-Plough chegaram a ser vendidos a 17,82 por cento na Bolsa de Nova York, mas fecharam o pregão a 18,95 por cento, queda de 11,6 por cento em relação à véspera.

(Reportagem adicional de Lewis Krauskopf, Deepa Seetharaman, Michael Kahn, Kim Dixon e Julie Steenhuysen)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG