WASHINGTON (Reuters) - Um memorando vazado que aparentemente revelou esforços de Teerã para produzir um acionador de bomba atômica foi falsificado pelos Estados Unidos, disse o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, a um programa de notícias dos EUA. Ahmadinejad foi perguntado pelo ABC News sobre artigo publicado na semana passada pelo jornal The Times, de Londres, sobre o que o jornal afirmou ser um documento técnico e confidencial iraniano descrevendo um plano de quatro anos para testar um iniciador de nêutrons, parte de uma ogiva que desencadeia uma explosão.

"É um conjunto de documentos falsificados que são continuamente forjados e disseminados pelo governo norte-americano", disse Ahmadinejad à TV, em entrevista transmitida na segunda-feira.

Os relatos de que o Irã estaria trabalhando sobre um acionador de bomba são "fundamentalmente inverídicos", disse Ahmadinejad.

Em 14 de dezembro o The Times publicou o que afirmou ser o documento em língua farsi, acompanhado de tradução inglesa, intitulado "Perspectivas de Atividades Especiais Ligadas a Nêutrons nos Próximos Quatro Anos".

O documento descrevia medidas para desenvolver e testar peças de um iniciador de nêutrons, artefato que inunda o núcleo de urânio altamente enriquecido com partículas subatômicas, para desencadear a reação em cadeia de uma explosão nuclear.

Na semana passada, o porta-voz do Ministério do Exterior iraniano Ramin Mehmanparast descreveu o artigo como "infundado, indigno de atenção, tendo como objetivo exercer pressão política e psicológica sobre o Irã".

"POTÊNCIAS ARROGANTES"

Quinto maior exportador de petróleo no mundo, o Irã diz que seu programa de enriquecimento de urânio visa gerar eletricidade, para que possa exportar mais gás e petróleo. Devido a seu histórico de sigilo nuclear, o Ocidente acredita que o Irã visa produzir bombas atômicas.

Em discurso televisionado feito no sul do Irã nesta terça-feira, Ahmadinejad disse que os arsenais nucleares dos Estados Unidos e Israel deveriam ser desmontados. Acredita-se que Israel seja o único país do Oriente Médio dotado de armas atômicas.

"Eles precisam saber que a nação iraniana e as nações do mundo vão continuar a resistir até o desarmamento (nuclear) completo da América e de todas as potências arrogantes", disse o presidente iraniano a uma multidão em um estádio na cidade de Shiraz.

(Reportagem de Paul Eckert em Washington e Hossein Jaseb em Teerã)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.