Relatório sobre acionador nuclear é fabricado, diz Ahmadinejad

WASHINGTON (Reuters) - Um documento técnico confidencial iraniano que foi divulgado descrevendo os esforços de Teerã para desenvolver um acionador de bomba atômica foi forjado por Washington, acusou o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, a um programa de televisão dos EUA na segunda-feira. Ahmadinejad foi questionado pelo noticiário ABC News sobre um relatório do Times de Londres na semana passada, que chamaram de um documento técnico confidencial iraniano, descrevendo o projeto de quatro anos para testar um iniciador de nêutrons, parte de uma ogiva nuclear que aciona uma explosão.

Reuters |

"São todos papéis fabricados, constantemente sendo forjados e disseminados pelo governo norte-americano", disse ele à rede televisiva dos EUA durante uma entrevista em Copenhague na Dinamarca, após participar da conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas.

Informações de que o Irã está desenvolvendo um acionador de bombas são "fundamentalmente falsas", afirmou Ahmadinejad.

O Times de Londres publicou no dia 14 de dezembro o que alegava ser um documento iraniano, junto à tradução em inglês, intitulada, "Perspectiva para atividades especiais relacionadas ao nêutron nos próximos quatro anos".

O documento descreve as etapas de desenvolvimento e teste de componentes para o acionador de nêutrons, um dispositivo que inunda o centro do urânio altamente enriquecido com partículas subatômicas para ativar uma reação em cadeia de uma explosão nuclear.

Na semana passada, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores iraniano, Ramin Mehmanparast, disse que o documento era "infundado... indigno de atenção, com intenção de colocar pressão política e psicológica sobre o Irã".

O Irã, quinto maior exportador de petróleo do mundo, diz que seu programa de enriquecimento de urânio tem como objetivo a geração de energia elétrica para que possa exportar mais gás natural e petróleo. O Ocidente acredita que o país quer produzir bombas através do enriquecimento devido a seu histórico de segredos nucleares.

(Reportagem de Paul Eckert)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG