Relatório diz que imigração não traz benefícios aos britânicos

Londres, 1 abr (EFE).- A imigração em massa teve pouco ou nenhum impacto no bem-estar econômico dos britânicos, e em alguns casos foi negativa, assinalou hoje em relatório o Comitê de Assuntos Econômicos da Câmara dos Lordes.

EFE |

Os lordes rejeitaram a opinião do Governo trabalhista de que a imigração é boa para a economia, e pediram que seja fixado um limite no número de pessoas que podem entrar no país.

Alguns grupos - trabalhadores com baixa renda, minorias étnicas e jovens que desejam entrar no mercado de trabalho - podem sofrer com a concorrência dos imigrantes, acrescentou o documento, elaborado após uma pesquisa sobre o assunto.

A Administração britânica deveria estabelecer um limite "explícito" sobre a entrada de estrangeiros, insistiu.

Ao mesmo tempo, os lordes qualificaram de "fundamentalmente imperfeita" a afirmação dos ministros de que a imigração é necessária para evitar uma falta de mão-de-obra no país.

Também se mostraram a favor de suprimir os direitos dos imigrantes de levar familiares ao Reino Unido.

Estes direitos "podem ser modificados se o Governo quiser", acrescentou o texto, intitulado "O Impacto Econômico da Imigração".

O estudo afirma que há um "risco" de a imigração contribuir para a procura por imóveis e para o aumento dos preços imobiliários.

O uso do Produto Interno Bruto (PIB) para medir a contribuição econômica da imigração é "irrelevante e enganoso", de acordo com os lordes.

Por outro lado, acreditam que a renda per capita deveria ser uma forma mais apropriada de medir o impacto da imigração na economia.

"A curto prazo, a imigração cria ganhadores e perdedores em termos econômicos. Os maiores ganhadores são os imigrantes e seus empregadores no Reino Unido", acrescentou.

"Entre os perdedores podem ser incluídos os empregados com uma remuneração baixa e que concorrem diretamente com os novos trabalhadores imigrantes", segundo os lordes.

Após conhecer o estudo, o porta-voz de Interior do Partido Conservador (primeiro da oposição), David Davis, disse que o documento "derrubou" o argumento do Governo.

Por sua parte, o responsável de Interior do Partido Liberal-Democrata (terceira legenda britânica), Chris Huhne, assinalou que este relatório evidencia que o Governo não sabe a quantidade de imigrantes que vivem no Reino Unido.

No entanto, o responsável de Imigração do Governo, Liam Byrne, defendeu a política trabalhista e disse que este ano será estabelecido um novo organismo - a Agência de Imigração e Fronteiras - que reforçará o controle das fronteiras britânicas. EFE vg/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG