Relatório da AIEA não demonstra desvio de atividades nucleares, diz Irã

Teerã, 16 set (EFE).- O enviado do Irã à Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), Ali-Asghar Soltanieh, assinalou que o relatório desta instituição divulgado na segunda-feira demonstra que Teerã não se desviou de suas atividades nucleares pacíficas, informou hoje a agência oficial iraniana Irna.

EFE |

Em entrevista ontem à noite à "Irna", o representante iraniano na AIEA disse que "inclusive se o diretor da AIEA (Muhamad ElBaradei) se informasse sobre o Irã dez anos depois, emitiria a mesma mensagem de que não há provas de nenhum desvio do Irã de suas atividades nucleares para fins militares".

Desta forma, Soltanieh reagiu à difusão de um relatório da AIEA que expressou sua preocupação com a falta de progressos na investigação dos aspectos mais delicados do programa nuclear do Irã.

Quanto aos "supostos estudos", o representante iraniano apontou que, como foi anunciado, seu país e a AIEA acordaram um plano de ação "para resolver os assuntos pendentes sobre uma base de compromisso".

Os denominados "supostos estudos" alegam que o Irã planejou a criação de mísseis, realizou investigações secretas centradas no processamento de urânio e realizou testes com explosivos de grande potência, necessários para gerar a reação em cadeia de uma explosão nuclear.

O Irã assegura que a documentação apresentada pelos EUA e outros países à AIEA é falsa, o que os inspetores tentam comprovar há vários meses, e sem sucesso até agora.

"Tenho que dizer que devido aos impedimentos, problemas e intromissões dos EUA nos assuntos internos da AIEA, este organismo não pôde entregar a documentação pertinente no prazo estipulado", denunciou o enviado iraniano.

"O Irã demonstrou, tomando como base as observações realizadas, que as acusações de Washington relacionadas ao computador portátil interceptado são totalmente falsas, acrescentou.

Após a publicação do relatório, os EUA advertiram de que o Irã pode enfrentar possíveis novas sanções se não suspender seu programa de enriquecimento de urânio. EFE ssa/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG