Reino Unido: Escritores criticam aumento do prazo de detenção por terrorismo

Londres, 12 out (EFE).- Famosos escritores britânicos publicarão nesta segunda-feira um relato, um ensaio ou um poema criticando a determinação do Governo britânico de ampliar para 42 dias o prazo de detenção sem acusações de suspeitos de terrorismo.

EFE |

A lista inclui 42 nomes, como os romancistas Philip Pullman - autor da trilogia "Fronteiras do Universo" -, Julian Barnes - autor de "O Papagaio de Flaubert" -, a britânica Monica Ali - famosa por seu livro "Um Lugar Chamado Brick Lane" - e John Berger, autor dos romances "G" e "Uma vez in Europa".

A decisão dos escritores é anunciada antes de a Câmara dos Lordes se pronunciar, nesta segunda-feira, sobre o projeto de lei que estende de 28 para 42 dias o período de detenção sem acusações de suspeitos de terrorismo.

A polêmica legislação - já aprovada na Câmara dos Comuns - pode ser rejeitada pelos lordes.

Pullman utiliza seu ensaio para lançar uma sarcástica crítica ao Governo, informou hoje o jornal britânico "The Observer".

"Não sabemos o quanto somos abençoados por viver em uma nação onde os policiais têm seis semanas para descobrir por que nos prenderam", escreve Pullman, dentro de uma campanha organizada pelo grupo de defesa dos direitos civis Liberty.

Em junho, o projeto de lei para ampliar a detenção sem acusações recebeu o sinal verde dos deputados, mas com muitas dificuldades, devido à oposição de vários parlamentares, que consideravam que a legislação ameaçava as liberdades civis.

No entanto, acredita-se que os lordes rejeitarão a iniciativa, que teria de voltar à Câmara dos Comuns para eventuais emendas.

O Governo defende a necessidade de ampliar o período diante da ameaça terrorista enfrentada pelo Reino Unido, mas é duramente criticado por muitos políticos e pelas organizações que defendem os direitos civis. EFE ep/fh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG