Reino Unido anuncia pacote de US$ 88 bi para salvar bancos

O governo britânico anunciou detalhes de um pacote no valor de até 50 bilhões de libras esterlinas (o equivalente a cerca de US$ 88 bilhões) para resgatar o sistema bancário do país. Inicialmente será disponibilizado um capital extra para oito dos maiores bancos britânicos.

BBC Brasil |

Em troca dos recursos adicionais, o governo receberá ações preferenciais dessas instituições (ações sem direito a voto, mas com prioridade na distribuição de dividendos, que são uma parte do lucro da empresa).

O dinheiro será usado para dar apoio ao sistema bancário, que viu a cotação de suas ações despencar nas últimas semanas, em num momento em que os bancos lutam por acesso a recursos.

Como parte do pacote, mais 200 bilhões de libras esterlinas (o equivalente e cerca de US$ 350 bilhões) serão disponibilizados pelo Banco da Inglaterra (o banco central britânico) para empréstimos de curto-prazo, com o objetivo de dar liquidez aos bancos.

A crise atual foi causada, em parte, pela relutância dos bancos de emprestarem dinheiro uns aos outros, e o governo espera que agora este problema possa ser resolvido. Será estabelecida, também, uma companhia especial para fornecer até 250 bilhões de libras (o equivalente a cerca de US$ 437 bilhões) em garantias de empréstimo para bancos.

Os bancos que confirmaram participação no esquema são: Abbey, Barclays, HBOS, HSBC, Lloyds TSB, Nationwide Building Society, Royal Bank of Scotland e Standard Chartered.

O Tesouro britânico afirmou que outros bancos poderão pedir para ser incluídos no plano.

Apesar do anúncio do pacote, o índice FTSE 100 da bolsa de valores de Londres abriu em baixa de 3,9%. Mas as ações de bancos tiveram alta, lideradas pelo HBOS, com uma valorização de 26% após queda acentuada na terça-feira.

Restrições
O analista econômico da BBC Robert Peston, disse que serão impostas condições para os bancos que aceitarem o dinheiro do governo.

Entre elas estão restrições ao pagamento de executivos dos bancos e de dividendos para os demais acionistas das instituições.

"Tomar o dinheiro do contribuinte não será uma licença para operar como se fosse em esquema normal", afirmou Peston.

Espera-se que o acordo estimule o fluxo de dinheiro nos mercados e garanta o futuro do sistema bancário.

"Eles conseguiram capital adicional agora e se quiserem, têm uma fonte ilimitada de liquidez", disse Terry Smith, diretor executivo da corretora Tullett Prebon.

"Isto certamente deve estancar o pânico em termos de pessoas imaginando se os bancos são sólidos ou não."
O pacote foi bem recebido pelos bancos.

"O anúncio do governo representa uma intenção séria e muito real da parte das autoridades, depois de consultas com a indústria bancária para trazer estabilidade (...) ao sistema bancário britânico", disse nota do HBOS.

    Leia tudo sobre: crise nos mercados

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG