Sydney (Austrália), 10 jun (EFE).- O regime militar de Fiji anunciou hoje que prorrogou por mais um mês o estado de exceção, que inclui a proibição de realizar reuniões de conteúdo político e a censura dos meios de comunicação, disse o porta-voz oficial Neumi Leweni em comunicado.

A medida foi imposta em 10 de abril após a abolição da Constituição e foi estendida pela primeira vez em 4 de maio.

"A ausência de temas políticos na agenda nacional, por exemplo, está contribuindo positivamente à paz e estabilidade da nação", argumentou Leweni para justificar a prorrogação do estado de exceção.

Fiji atravessa uma profunda crise política desde abril passado, quando os tribunais declararam ilegal o golpe de Estado pelo qual o atual primeiro-ministro, o comodoro Frank Bainimarama, depôs o Governo de Laisenia Qarase, em 2006.

No ano seguinte, o militar se comprometeu a realizar eleições em 2009 para que a União Europeia (UE) mantivesse a ajuda oficial ao país, mas depois voltou atrás. EFE mg/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.