Região separatista da Transnístria reativará negociações com Moldávia

Moscou, 3 set (EFE).- O presidente da região separatista da Transnístria, Igor Smirnov, anunciou hoje o reatamento das negociações com a Moldávia após se reunir com o presidente da Rússia, Dmitri Medvedev.

EFE |

"Tentaremos mais uma vez. Espero que as autoridades da Moldávia assumam sua responsabilidade sobre o processo negociador e a conquista de resultados positivos", declarou Smirnov à agência russa "Interfax".

Smirnov afirmou que as autoridades separatistas tinham retomado esta decisão apesar de a Moldávia nunca ter chegado a condenar a recente "agressão georgiana contra a Ossétia do Sul".

Em março de 2006 os separatistas abandonaram as negociações para a solução do conflito após denunciarem a implantação de um bloqueio econômico por parte da Moldávia e da Ucrânia, que acusam a Transnístria de contrabando.

Por outro lado, Smirnov disse que, durante a reunião com Medvedev no balneário de Sochi, no Mar Negro, tinha fechado um acordo de estabelecer negociações trilaterais (Moldávia, Transnístria e Rússia).

Smirnov declarou recentemente que o reconhecimento da independência da Abkházia e da Ossétia do Sul por Moscou era um "precedente" nas negociações com a Moldávia.

Por outro lado, o representante especial da União Européia (UE) para a Moldávia, o húngaro Kálmán Mizsei, negou ontem em Chisinau, capital da Moldávia, que a decisão russa possa ser um "precedente" para a Transnístria.

Smirnov afirma que a única via para encerrar o conflito passa pelo "reconhecimento por parte deste país da República Moldávia de Transnístria".

Por outro lado, o presidente russo afirmou ontem em entrevista à rede italiana "RAI" que "havia uma boa oportunidade de definir uma solução" para o conflito na Transnístria.

Medvedev se reuniu no dia 25 de agosto com o presidente da Moldávia, Vladimir Voronin, com quem acertou agilizar o reatamento das negociações de paz para prevenir o aumento da tensão, como aconteceu semanas antes na Geórgia.

A Transnístria, região de maioria russa e ucraniana, rompeu relações com a Moldávia após um conflito armado (1992-1993) no qual contou com ajuda russa.

Desde o fim do conflito armado, a Moldávia defende a integração dos dois territórios separados pelo rio Dniester e acusa a Rússia de promover a independência desta região.

Por sua parte, Smirnov, no poder desde 1999, acusa o Governo moldávio de "tentar estrangular a economia" do território por não conseguir submeter a Transnístria pela força das armas. EFE io/wr/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG