BUENOS AIRES - Cerca de 400 moradores de Quebrada de Humahuaca, na província argentina andina de Jujuy, iniciaram hoje uma greve de fome por tempo indeterminado e até as últimas conseqüências para exigir soluções para a pobreza extrema da região, segundo organizações humanitárias locais.

Os moradores iniciaram o protesto em diferentes pontos da cidade de Quiaca, no extremo norte do país, e receberam o apoio do Prêmio Nobel da Paz de 1980, Adolfo Pérez Esquivel.

"Eles têm muitos problemas, não precisam apenas de uma solução para a desnutrição. Também precisam de obras públicas e de formar cooperativas para que possam ter suas próprias casas", afirmou Pérez Esquivel à Agência Efe.

Os manifestantes também pedem a criação de fontes de trabalho para diminuir os altos índices de desemprego na região, uma comarca de pequenos povos andinos que subsiste pelo pastoreio e o turismo.

"Por causa da situação na qual se encontram, um grupo de médicos se examinar os manifestantes para ver os que podiam ser submetidos a uma greve de fome", disse Pérez Esquivel.

Segundo as últimas estatísticas oficiais, que correspondem ao primeiro semestre de 2008, o índice de pobreza na Argentina é de 17,8% e o de indigência de 5,1% No entanto, essas taxas sobem para 30% e 6,4%, respectivamente, em Jujuy, um dos distritos mais pobres do país.

Leia mais sobre Argentina

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.