Refugiados palestinos sofrem com má nutrição e estresse pós-traumático

Genebra, 20 mai (EFE).- A desnutrição, o estresse pós-traumático e desordens de comportamento estão se transformando nos principais problemas de saúde de milhões de refugiados palestinos por causa das duras condições de vida que enfrentam, afirma um relatório da UNRWA, agência da ONU para ajuda aos refugiados palestinos.

EFE |

"As extremas condições de vida crônicas, junto com a instabilidade política e a incerteza, cobraram seu preço, especialmente entre crianças e adolescentes nos territórios ocupados palestinos e no Líbano", declarou o Relatório Anual 2007 do departamento de Saúde da UNRWA.

O relatório, divulgado hoje, será apresentado amanhã na Assembléia Mundial da Saúde, que reúne esta semana em Genebra os principais responsáveis de saúde dos 193 países-membros da OMS e que tem a cada ano, como ponto fixo da agenda, a situação de saúde nos territórios ocupados por palestinos.

Guido Sabatinelli, Diretor de Saúde da UNRWA, afirmou em entrevista coletiva que o número de refugiados palestinos aos quais a entidade presta serviços de saúde e educação aumentou de forma notável ao longo da década passada e já chega a 4 milhões de pessoas, entre os territórios de Gaza e Cisjordânia, o Líbano, a Jordânia e a Síria.

"Apenas em 2007, o número de refugiados registrados aumentou 2,5%, ou seja, foram registrados mais 114 mil beneficiados", acrescentou.

Apesar de terem sido registraram muitos progressos no último ano com relação a doenças infecciosas e em outras áreas como a saúde materna, agora o desafio é o grande aumento em deficiências de nutrição, especialmente de ferro e vitaminas, "o que provocou uma deterioração da saúde dos refugiados que nos causa grande preocupação", declarou.

"Estas deficiências estão relacionadas a uma combinação de fatores como o consumo de alimentos de baixa qualidade e o aumento da pobreza", afirmou Sabatinelli.

A isso se une a cada vez maior incidência de estresse pós-traumático e problemas de comportamento, concluiu. EFE vh/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG