A frota internacional mobilizada no Atlântico continuou com as operações de busca dos corpos das vítimas e dos destroços do Airbus A330 da Air France, recuperando o estabilizador do avião que caiu no mar com 228 pessoas a bordo.

O Exército do Brasil informou que 16 corpos, e não 17 como anunciado anteriormente, foram resgatados até agora. O erro parece ter sido em consequência de uma falha na comunicação entre as forças brasileiras e francesas.

O capitão de fragata Giucemar Tabosa, porta-voz do Exército brasileiro, explicou que a fragata francesa Ventôse resgatou apenas sete corpos, e não oito, como anunciado na véspera. O erro somente foi descoberto quando os corpos foram transferidos a bordo da fragata brasileira Constituição.

Nesta segunda-feira, no oitavo dia de buscas, as marinhas brasileira e francesa, que já avistaram centenas de objetos e "dezenas de partes" do avião, começaram a recuperar peças importantes.

O porta-voz da Aeronáutica, o tenente-coronel Henry Munhoz, apresentou à imprensa fotos mostrando uma lancha da Marinha brasileira se preparando para rebocar o estabilizador do avião, com formato de trapézio e as listras azuis, brancas e vermelhas do logotipo da Air France.

Oito marinheiros aparecem na foto participando desta operação.

Os 16 corpos foram transferidos a bordo da fragata Constituição para serem levados ao arquipélago de Fernando de Noronha, a mais de 800 km do local onde supostamente teria caído o Airbus. Eles devem chegar na terça-feira.

Uma perícia preliminar dos corpos será realizada na ilha. Os cadáveres serão em seguida transportados de avião para o Instituto Médico-Legal de Recife, onde um necrotério foi instalado.

Doze aparelhos brasileiros, entre os quais um avião radar R-99, e dois franceses, participam das operações de busca, assim como seis navios, que recuperam os corpos e destroços detectados pelos aviões.

Os porta-vozes reiteraram que a prioridade da operação é retirar os corpos.

Assentos, máscaras de oxigênio e objetos pessoais, como uma mochila e uma maleta, já foram recolhidos, assim como diversas peças do Airbus.

O submarino nuclear francês Emeraude, dotado de sonares ultrasensíveis, deve chegar ao local na quarta-feira. A missão do Emeraude será localizar as duas caixas pretas, que estão provavelmente no fundo do oceano, a 5.000 metros de profundidade.

bur/yw

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.