Recessão dos EUA pode durar até 2010, diz chefe do Fed

O presidente do Fed (Federal Reserve, o banco central americano), Ben Bernanke, disse nesta terça-feira que, sem as políticas certas por parte do governo, a recessão nos Estados Unidos pode durar até 2010, e uma recuperação completa da economia pode durar ainda mais. Em suas declarações ao Comitê Bancário do Senado americano, Bernanke disse que a atual visão predominante entre os responsáveis pela formulação da política econômica nos Estados Unidos é de que uma recuperação completa da economia, abandonando a atual recessão, deve demorar mais de dois ou três anos.

BBC Brasil |

Entretanto, ele explicou que o panorama é mais otimista se o governo tiver sucesso na tentativa de restaurar alguma estabilidade no mercado financeiro.

"Apenas nesse caso, na minha opinião, há uma perspectiva razoável de que a atual recessão acabe em 2009 e que 2010 seja um ano de recuperação", disse.

Um dos riscos apontados por Bernanke é a natureza global do problema econômico, que pode afetar as exportações dos Estados Unidos ainda mais do que o esperado.

Em suas tentativas de recuperar a economia americana o Fed cortou no ano passado sua taxa de juros para quase zero. O governo de Barack Obama, por sua vez sancionou neste mês um plano de estímulo econômico de US$ 787 bilhões.

Leia mais na BBC Brasil: Obama sanciona plano de estímulo de US$ 787 bilhões
Bernanke garantiu aos congressistas que está "comprometido com o uso de todas as ferramentas disponíveis para estimular a atividade econômica e melhorar o funcionamento do mercado financeiro".

As declarações foram feitas no mesmo dia em que foi divulgado que um indicador do nível de confiança do consumidor americano ficou em fevereiro no seu nível mais baixo desde o início dos registros em 1967.

O índice do Conference Board ficou em 25 pontos no mês passado, abaixo das expectativas. Em janeiro este índice havia ficado em 37,4.

O testemunho de Bernanke foi bem-recebido no mercado financeiro americano.

A bolsa de valores de Nova York, que na segunda-feira fechou no nível mais baixo em pontos em quase 12 anos, operava com alta de 1% por volta das 14h40, hora de Brasília - depois do discurso de Bernanke.

Leia mais na BBC Brasil sobre o mercado financeiro na segunda-feira
Mais cedo, as principais Bolsas de Valores da Ásia e fecharam em queda, ainda refletindo as perdas em Wall Street no dia anterior. Em Tóquio, o índice Nikkei fechou com perdas de 1,46%. Durante o pregão, ele chegou a operar em seu nível mais baixo desde 1982.

Bolsas da Ásia seguem Wall Street e fecham em baixa
Na Europa, os principais mercados registraram recuos suaves. Em Londres, o FTSE 100 teve queda de 0,9%; o Dax, em Frankfurt, ficou em 1%, enquanto o CAC-40 de Paris encerrou a terça-feira em 0,7%.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG