Rebelião congolesa avança e quer impor cessar-fogo

A rebelião de Laurent Nkunda anunciou nesta segunda-feira ter tomado o controle de uma cidade do leste da República Democrática do Congo (RDC, antigo Zaire) e seus arredores, e destacou que pretende impor um cessar-fogo ao Exército de Kinshasa.

AFP |

"Nossas tropas controlam toda a zona de Rwindi", declarou à AFP o porta-voz da rebelião, Bertrand Bisimwa.

A Missão das Nações Unidas na RDC (MONUC) confirmou que os rebeldes tomaram o controle da localidade no domingo, após um dia de combates com o Exército congolês.

"As FARDC (Forças Armadas da RDC) se deslocam no exterior de Rwindi", afirmou à AFP o porta-voz militar da MONUC, o tenente-coronel Jean-Paul Dietrich.

Situada 100 km ao norte de Goma - capital da província de Kivu Norte - e 20 km ao sudeste da cidade estratégica de Kanyabayonga, Rwindi foi cenário no domingo de violentos combates entre o Exército e a rebelião.

Os combates foram interrompidos à noite, mas o clima de tensão prossegue nesta segunda-feira.

O porta-voz da rebelião afirmou ainda que o Exército recuou até a cidade de Vitshumbi, 15 km ao nordeste de Rwindi, mas a informação não foi confirmada pela MONUC.

"Vamos avançar até Vitshumbi e calar as armas das FARDC, vamos a impor um cessar-fogo", ameaçou Bisimwa.

O avanço da rebelião aconteceu no momento em que o enviado especial da ONU para a RDC, Olusegun Obasanjo, se reunia no domingo em Kivu Norte com Laurent Nkunda.

Ao fim do encontro, Nkunda afirmou que desejava negociar um cessar-fogo com o governo.

hba/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG