Kinshasa, 3 jan (EFE).- Os rebeldes tutsis congoleses do Congresso Nacional para a Defesa do Povo (CNDP), chefiado por Laurent Nkunda, condicionaram participar das negociações de paz em Nairóbi, na terça-feira, aos soldados governamentais congoleses deixaram a zona de separação, que afirmam que ocupado, na República Democrática do Congo (RDC).

O CNDP, em comunicado enviado hoje à Missão da ONU na RDC (Monuc), ameaça boicotar as negociações se as Forças Armadas da República Democrática do Congo (Fardc) não se retirarem da zona que une Goma, capital da província de Kivu Nore, com Kibati, a 12 quilômetros.

Nos últimos dias, o CNDP acusou as Fardc de ocuparem a zona abandonada por suas tropas após a declaração de cessar-fogo unilateral da guerrilha, que pede à ONU que comprove no terreno suas acusações, em uma nota entregue a Alan Doss, representante especial das Nações Unidas na RDC.

O porta-voz do CNDP, Bertrand Bisimwa, em uma declaração à emissora local "Radio Okapi", promovida pela ONU, disse que as Fardc reforçam sua presença em Kibati, por isso seu grupo teme um ataque iminente.

"Escrevemos à Monuc para pedir a retirada das Fardc desta região e pedimos que venham constatar a proximidade das tropas e a violação do cessar-fogo para exigir a retirada de suas tropas. Se não o fizerem-, não entendemos que vamos fazer em Nairóbi", declarou Bisimwa. EFE py/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.