Bogotá, 2 jul (EFE).- Os dois guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) que foram capturados hoje na operação de resgate de 15 seqüestrados pela guerrilha poderão receber os benefícios jurídicos da polêmica lei de Justiça e Paz, informou a Procuradoria colombiana.

Na operação militar em que foram resgatados a ex-candidata presidencial Ingrid Betancourt, três cidadãos americanos e onze policiais e militares foram detidos os rebeldes Gerardo Antonio Aguilar, conhecido como "César" e procurado pela Interpol, e Alexander Farfán, conhecido como "Enrique Gafas".

O procurador-geral Mario Iguarán comemorou o resgate dos reféns e acrescentou que os guerrilheiros detidos poderão receber os benefícios da lei caso colaborem com a Justiça.

"Em princípio está aberto o instrumento da lei de Justiça e Paz, sob certas condições, isto é, que se diga onde estão os seqüestrados, que se forneça informação eficaz para desarticular essa organização e que entreguem seus bens", disse.

A Lei de Justiça e Paz foi impulsionada pelo Governo do presidente Álvaro Uribe para beneficiar juridicamente os paramilitares desmobilizados no processo de paz, mas depois foi ampliada aos membros de todos os grupos armados ilegais.

Diversas ONGs e fontes da oposição criticaram essa lei, porque permite que os combatentes acusados de crimes de lesa-humanidade recebam penas curtas, de no máximo oito anos. EFE fer/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.