Reator 3 de Fukushima recebe ácido bórico para controlar combustível

Objetivo da companhia é levar os reatores ao estado de parada fria até janeiro de 2012

EFE |

A companhia Tóquio Electric Power (TEPCO), operadora da central de Fukushima, começou neste domingo a injetar ácido bórico na piscina de armazenamento de combustível usado no reator 3 para controlar o estado das barras de material radioativo, informou a televisão japonesa "NHK".

Leia mais: Apesar dos perigos, Fukushima atrai trabalhadores do Japão

Entre o domingo e a segunda-feira (27), os operários devem derramar 90 toneladas de água com ácido bórico na piscina, para qual aparentemente caíram pedaços de cimento por causa da explosão de hidrogênio que a unidade sofreu dias após o terremoto de 11 de março.

No mês passado, a companhia detectou que a água dessa piscina estava muito alcalina, com elevado nível de PH (acidez) de 11,2 - provável causa do hidrato de cálcio liberado pelos escombros.

Os técnicos temem que a acidez de água corroa as barras de alumínio de sustentação do combustível, o que poderia levar ao desprendimento, no pior dos casos, aumentando o risco de uma reação crítica que poderia emitir uma elevada radioatividade.

Reator 1 da usina de Fukushima será coberto com lâminas de poliéster

Além de injetar o ácido bórico, a TEPCO prepara a instalação de um sistema de refrigeração específico para essa piscina esteja operacional no início de julho. Paralelo a isso, continuam os esforços para ativar um crucial sistema de descontaminação das mais de 110 mil toneladas de água radioativa acumuladas na planta, e que ameaçam vazar para o interior.

Houve uma tentativa de ativação na semana passada, mas diversas avarias levaram a interromper o processo apenas cinco horas depois do início. O objetivo desse dispositivo é limpar a água radioativa ao ritmo de 1,2 mil toneladas ao dia, para poder utilizá-la depois na refrigeração dos reatores.

A central de Fukushima, epicentro da crise nuclear mais grave nos últimos 25 anos, foi seriamente danificada pelo terremoto e devastador tsunami de 11 de março, que paralisou seu sistema de refrigeração.

    Leia tudo sobre: JAPÃONUCLEAR

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG