MOSCOU - A Rússia advertiu que sua reação ao acordo assinado, nesta quarta-feira, por Estados Unidos e Polônia para a http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2008/08/20/polonia_e_eua_assinam_acordo_para_instalacao_de_escudo_antimisseis_1582549.htmlinstalação em território polonês de elementos do escudo antimísseis americano não se limitará a medidas diplomáticas.

A Rússia advertiu também que a instalação de elementos do sistema antimísseis americano na Europa "leva à corrida armamentista", segundo comunicado do ministério russo das Relações Exteriores.

"O potencial estratégico americano se aproxima insistentemente de nossas fronteiras", denunciou o Ministério de Exteriores russo em comunicado.

A Chancelaria russa considera que as 10 bases de mísseis interceptores que os EUA pensam em desdobrar na Polônia não têm " outro alvo que não os mísseis balísticos intercontinentais russos ".

"Os Estados Unidos pretendem romper o equilíbrio estratégico em seu favor, entorpecendo o fortalecimento da estabilidade no mundo", aponta.

A Rússia assegurou que o escudo antimísseis americano é parte da estratégia americana de renunciar aos tratados de limitação de armamento estratégico e desenvolver armas de nova geração para seu desdobramento no espaço.

A nota ressalta que, no acordo entre Moscou e Varsóvia, há um novo aspecto nunca antes mencionado: uma base adicional para mísseis Patriot.

"Não pode haver vinculação alguma entre essas instalações e a imaginária ameaça de um ataque por parte do Irã. Teerã não só carece da intenção, mas nos próximos anos não disporá da capacidade tecnológica para atacar com mísseis a Europa, quanto mais os EUA", assinala.

Contudo, a Rússia afirma que, "mesmo em uma situação tão complicada, não pensa em renunciar ao diálogo, e está disposta a continuar trabalhando com todas as partes interessadas".

O Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia já ameaçou a Polônia, ao afirmar que, caso assine o acordo com os EUA, se transformaria em alvo dos mísseis nucleares russos.

Por sua parte, o presidente russo, Dmitri Medvedev, assegurou que "as histórias sobre a necessidade de conter os países párias já não valem, e acrescentou que o acordo entre Polônia e Washington não traz tranqüilidade ao mundo".

A Rússia insiste que os planos de Washington de desdobrar mísseis interceptores na Polônia e uma base de radares na República Tcheca representam uma "ameaça direta" à sua segurança.

Concretamente, assegura que os radares em solo tcheco permitiriam ao Pentágono controlar as bases de mísseis estratégicos posicionadas na parte européia da Rússia e dos submarinos nucleares da Frota do Mar do Norte.

Os mísseis interceptores em solo polonês poderiam abater foguetes russos na chamada "fase ativa", que compreende os primeiros segundos após a decolagem, antes que a ogiva chegue à altura orbital e se oriente em direção a seu alvo.

Por sua parte, os EUA afirmam que o escudo está destinado a defender o continente europeu da ameaça de um ataque com mísseis de longo alcance por parte de regimes como os do Irã ou da Coréia do Norte.

(*Com informações das agências EFE e AFP)

Leia mais sobre: Rússia - EUA - escudo antimísseis  - Polônia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.