RDC: Refugiados do campo de Kibati fogem apavorados por causa de combates

Genebra, 7 nov (EFE).- Novos combates e trocas de tiros foram registrados na manhã de hoje nas proximidades do campo de deslocados de Kibati, leste da República Democrática do Congo (RDC), o que causou o pânico entre os 65.

EFE |

000 habitantes da localidade, que começaram a fugir apavorados.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) informou em comunicado de emergência que as trocas de tiros interromperam a distribuição de alimentos que as agências estavam realizando.

Apesar de os combates terem cessado após meia hora, "os deslocados internos" continuam se movimentando para o sul, em direção a Goma, a capital da província, informou a Acnur.

A entidade expressou anteriormente seu temor de que isto pudesse acontecer, pois as forças em conflito - milícias armadas e forças governamentais - estavam se aproximando perigosamente do acampamento de Kibati.

"Pedimos a todas as partes do conflito que respeitem o caráter civil dos campos de deslocados e respeitem os princípios humanitários. Existe o risco de militarização dos campos", declarou a Acnur.

Segundo o Escritório da ONU de Coordenação de Assuntos Humanitários (Ocha), desde setembro 253.000 pessoas se transformaram em deslocados internos no leste da RDC, se juntando aos 800.000 deslocados de ondas de hostilidades anteriores.

Tanto a Ocha como o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) denunciaram hoje que estão aumentando os casos de recrutamento de crianças por milícias armadas, assim como a violência sexual contra mulheres.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, preside hoje em Nairóbi uma cúpula, patrocinada pela ONU e pela União Africana (UA), para buscar soluções para o conflito. EFE vh/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG