RDC espera proposta de Ruanda para decidir destino de líder rebelde

Kinshasa, 24 jan (EFE).- O Governo da República Democrática do Congo (RDC) espera uma proposta das autoridades de Ruanda para decidir o destino do líder do Congresso Nacional para a Defesa do Povo (CNDP), Laurent Nkunda, atualmente detido em Gisenyi, no país vizinho.

EFE |

"Estamos à espera de ser contatados oficialmente pelo Governo de Kigali sobre o destino de Nkunda quando voltar ao país", disse o ministro de Comunicação e porta-voz do Governo, Lambert Mende, que manifestou surpresa com uma suposta proposta política de Kigali como condição prévia à extradição de Nkunda.

"Estamos esperando que Kigali nos submeta oficialmente uma proposta sobre o destino que deve ser reservado a Nkunda", afirmou o porta-voz do Governo congolês.

Segundo os analistas, o caso de Nkunda poderia gerar divergências e novas dificuldades entre os países.

Em entrevista coletiva na sexta-feira, Mende disse que Nkunda deve comparecer perante o tribunal militar congolês que, em 2005, emitiu uma ordem de detenção contra ele após acusá-lo de crimes de guerra em Kivu Norte e Sul.

Em Kinshasa, a população acolheu com certa indiferença a captura do líder da rebelião no Kivu Norte, enquanto em Lubumbashi houve manifestações para comemorar a detenção e apoiar o presidente Joseph Kabila.

Hoje, a oposição política reivindicou a convocação de um debate nacional sobre a presença de tropas ruandesas no território da RDC.

Entre 3.500 e quatro mil soldados ruandeses, segundo a Missão da ONU no congo (Monuc), entraram desde terça-feira passada na RDC para ajudar as tropas governamentais congolesa a desarmar a guerrilha hutu das Forças Democráticas para a Libertação de Ruanda (FDLR), estabelecida no país depois do genocídio ruandês de 1994. EFE py/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG