Raúl diz que Cuba quer dialogar com Obama, mas sem concessões

Costa do Sauípe (Bahia), 15 dez (EFE).- O presidente de Cuba, Raúl Castro, expressou hoje, em sua chegada ao Brasil, a disposição de seu país em dialogar com o Governo Barack Obama, mas advertiu que não haverá concessões por parte de Havana.

EFE |

Cuba tem "disposição ao diálogo, mas (...) em igualdade de condições", declarou o dirigente cubano a um pequeno grupo de jornalistas em sua chegada à Costa do Sauípe.

Raúl, que pela primeira vez participa como presidente de uma reunião internacional fora de Cuba, evitou se pronunciar sobre a possibilidade de que o Brasil atue como intermediário em um hipotético processo de diálogo entre EUA e a ilha porque, segundo ele, "há muitas proposições com esse mesmo objetivo".

No entanto, afirmou que, até agora, Havana não recebeu mensagens da equipe de Obama, que assumirá o poder em 20 de janeiro, e ressaltou que em Cuba "não há pressa".

"Se não for agora, esperaremos outros 50 anos", comentou o presidente cubano.

"Se o senhor Obama desejar discutir, se discute, se não, não discutimos", reiterou Raúl.

Segundo ele, não está nos planos de Havana fazer concessões a Washington.

"Concessões a quem?", questionou o presidente, antes de advertir que "a época de gestos unilaterais acabou".

Raúl, de 77 anos, chegou ao Brasil esta tarde em um aeroporto de Salvador, onde foi recebido por membros da Chancelaria brasileira.

EFE mar/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG