Havana, 26 fev (EFE).- O presidente cubano, Raúl Castro, apreciou positivamente a decisão de seu colega francês, Nicolas Sarkozy, de enviar o ex-ministro socialista Jack Lang para melhorar as relações bilaterais e com a União Europeia (UE), afirma um comunicado oficial emitido hoje em Havana.

"O companheiro Raúl apreciou positivamente a iniciativa do presidente francês de impulsionar as relações entre Cuba e França, assim como de trabalhar pela promoção dos vínculos de nosso país com a UE em um âmbito de respeito recíproco", diz o comunicado, divulgado pela imprensa oficial.

Acrescenta que o presidente cubano manifestou sua disposição de "continuar o diálogo político" de Cuba e UE, "reiniciado em outubro de 2008 em Paris sobre a base do respeito mútuo".

A UE interrompeu definitivamente em junho passado as sanções simbólicas que tinha aplicado a Cuba em 2003, por causa da detenção de 75 opositores que foram condenados em juízos sumaríssimos a penas de até 28 anos de prisão.

O comunicado afirma que o encontro entre Lang e Raúl Castro "aconteceu em um ambiente amistoso e cordial", e destaca que o visitante "é uma importante personalidade política em seu país", onde foi ministro de Cultura e Educação durante a administração de François Mitterrand, além de presidente da comissão de Assuntos Estrangeiros da Assembleia.

O enviado de Sarkozy encerra hoje uma visita na qual a França expressou seu desejo de ser protagonista em Cuba, dois anos após a Espanha normalizar as relações com a ilha e quando os EUA começam a dar sinais de flexibilização.

Em entrevista coletiva, Lang disse na última quarta que apresentou ao general Castro a intenção de Paris de ter relações bilaterais "diretas" e "amistosas", e de ser um ator, embora não intermediário, em seus diálogos com Washington e a comunidade internacional.

"A França deseja facilitar o diálogo entre Cuba e EUA", disse Lang, e acrescentou que o propósito do Palácio do Eliseu é ser "um dos motores do diálogo entre Europa e América Latina, entre Europa e América do Norte". EFE am/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.