relação indestrutível com Angola - Mundo - iG" /

Raúl Castro exalta relação indestrutível com Angola

Luanda, 5 fev (EFE).- O presidente cubano, Raúl Castro, afirmou hoje que a relação histórica entre Cuba e Angola é indestrutível, durante reunião em Luanda com o colega angolano, José Eduardo dos Santos, que classificou o país caribenho como um modelo de independência e coerência.

EFE |

Raúl Castro, que realiza sua primeira visita a Angola desde que substituiu o irmão Fidel Castro à frente do Conselho de Estado e o Conselho de Ministros de Cuba, garantiu que seu país manterá sua contribuição à reconstrução econômica de Angola, com especialistas de diferentes áreas.

Em 1975, Cuba enviou 50 mil soldados para apoiar o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), de Agostinho Neto, na guerra civil contra a opositora Unita (União para a Independência Total de Angola).

A primeira também contava com o apoio da União Soviética, enquanto a segunda era respaldada por Estados Unidos, Zaire (atual República Democrática do Congo) e África do Sul.

Em memória daquela guerra, Castro se referiu à batalha de Kuito Kuanavale, nas quais tropas cubanas venceram as sul-africanas, afirmando que ela serviu para "preservar a independência de Angola e da Namíbia" e que foi um passo decisivo "para terminar com o apartheid na África do Sul (àquela altura, já sob severas sanções internacionais)".

Sua visita a Angola, segundo Castro, beneficiará os dois países em seus objetivos de "conseguir a independência, manter a paz e promover o desenvolvimento", apesar do "bloqueio vingativo ao qual os EUA submetem Cuba" (que importa 80% dos alimentos consumidos por seus 11,3 milhões de habitantes).

Dos Santos afirmou, por sua parte, que os países compartilham os objetivos de buscar, "pelos caminhos que considerem razoáveis, uma abertura política e econômica a um mundo multipolar e a construção de uma sociedade mais democrática e moderna" -embora, de fato, Cuba viva sob um Governo de partido único.

Após a reunião, as delegações dos dois países abriram negociações para reforçar e assinar novos acordos nos campos de saúde, educação, cultura, esporte, indústria, pesca, infraestrutura, transporte marítimo, pesca, mineração, turismo e desenvolvimento de rádio e televisão. EFE ms/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG