Costa do Sauípe (Bahia), 16 dez (EFE).- O presidente cubano, Raúl Castro, denunciou hoje que a ordem econômica internacional injusta e egoísta é um obstáculo para a integração econômica da América Latina, ao discursar como convidado na abertura da 36ª Cúpula do Mercosul.

Raul Castro, que transmitiu aos presentes uma saudação de seu irmão Fidel, disse que, na ilha caribenha, acompanham "com justificável otimismo" o empenho dos países do Mercosul "a favor de sua integração, complementação econômica e defesa de seu espaço regional", mas advertiu que o caminho está cheio de obstáculos.

"Sabemos que o propósito reúne esforços, tem no caminho obstáculos nada desprezíveis, entre eles os efeitos de uma ordem econômica internacional injusta e egoísta que favorece os países desenvolvidos e os interesses das grandes corporações transnacionais", disse.

Nesse sentido, o presidente cubano disse que a crise financeira e econômica atual é a "manifestação mais grave e indubitável" do sistema.

"A vontade de integração na América Latina tropeça também nas reconhecidas desigualdades nos níveis de desenvolvimento, na insuficiente infra-estrutura, nas grandes injustiças sociais e nas imensas disparidades de receita", advertiu.

No entanto, Raúl Castro disse que Cuba também observa com satisfação os passos para avançar rumo à integração, com políticas que dão prioridade a programas sociais e de infra-estrutura, à complementação econômica e produtiva, e à redução das assimetrias.

Além de participar como convidado na Cúpula do Mercosul na Costa do Sauípe, na Bahia, Raúl Castro estará na Cúpula da América Latina e do Caribe que começará ainda hoje, e em uma do Grupo do Rio na qual será formalizada a entrada de Cuba nesse mecanismo de coordenação política.

Raúl Castro - cuja participação como convidado foi saudada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva - disse que esta reunião "oferece uma oportunidade" de colocar "amplos propósitos, com uma dimensão própria", de acordo com as "preocupações e interesses comuns".

Também destacou que o Mercosul e outras iniciativas como a Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba) e a Comunidade do Caribe (Caricom) "dispõem de uma experiência e autoridade merecida" que "servem de base e referência para tudo aquilo" que se quiser construir.

Raúl Castro convidou os outros presidentes reunidos a continuar avançando pelo caminho da integração da América, para que não se limitem ao prazer de terem se reunido. EFE joc/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.