HAVANA - O presidente cubano, Raúl Castro, demitiu os vice-presidentes Osmany Cienfuegos e Pedro Miret, dois líderes históricos da revolução de 1959, como parte de uma profunda reestruturação do governo, informou o Diário Oficial nesta terça-feira. Eles ocupavam duas das seis vice-presidências do Conselho de Ministros. Apesar da sua importância histórica, eram politicamente discretos.

O decreto firmado por Raúl em 2 de março e divulgado nesta terça-feira não esclarece os motivos das demissões.

Há três semanas, Raúl anunciou a destituição de dez ministros, entre eles o chanceler Felipe Pérez Roque e o vice-presidente Carlos Lage, ambos dirigentes de grande projeção política, que foram acusados de cometer "erros" ainda não esclarecidos.

Cienfuegos, 78 anos, é irmão do histórico comandante rebelde Camilo Cienfuegos, que morreu num acidente aéreo logo depois da revolução. Até o final da década de 1990, ele foi ministro do Turismo.

Miret, 82 anos, participou de pelo menos dois fatos históricos em Cuba: acompanhou Fidel Castro no ataque ao quartel Moncada (Santiago de Cuba, leste), em 1953, e mais tarde, em 1956, esteve com ele na tripulação do iate Granma que desembarcou vindo do México para fazer a revolução na Sierra Maestra.

Raúl, efetivado na presidência em fevereiro de 2008, em substituição ao enfermo Fidel, disse no começo de março que as mudanças no gabinete visavam tornar o governo mais compacto e funcional, e aperfeiçoar o sistema socialista da ilha. Na ocasião, ele disse que não descartava promover mais mudanças neste ano.

Em seus cada vez mais raros pronunciamentos, Fidel acusou Pérez Roque e Lage de assumirem um "papel indigno". Os dois dirigentes divulgaram cartas de renúncia em que admitem ter cometido "erros" não especificados.


Leia mais sobre Cuba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.