Raúl Castro adverte que escalada de violência na Bolívia ameaça paz na região

Havana, 13 set (EFE).- O presidente de Cuba, Raúl Castro, afirmou hoje que a exposição da Bolívia a uma escalada da violência ameaça a paz e a segurança da América do Sul e apelou para a solidariedade continental.

EFE |

"Cuba apela para a solidariedade continental, enquanto os fatos que expõem a Bolívia a uma perigosa escalada de violência ameaçam também a paz e a segurança do continente e, especialmente, a América do Sul, o que só servirá aos inimigos da integração regional", diz Castro em comunicado lido na televisão estatal.

Raúl Castro, que assina o documento como General de Exército, assinala que Cuba segue com "preocupação" os eventos que acontecem na Bolívia e "as pressões políticas, econômicas e midiáticas às quais o Governo de Evo Morales está sendo submetido, que ameaça a integridade do país".

O presidente cubano acusa os Estados Unidos de "ingerência" na Bolívia, e afirmou que a situação criada no país tem que ser resolvida pelos próprios bolivianos e "a ordem constitucional e a integridade" devem ser respeitados.

"As notícias que chegam sobre a marcha dos eventos nestes instantes nos satisfazem, o restabelecimento da paz no departamento de Pando, a continuação do diálogo e o acatamento às decisões do presidente Evo Morales", continua o comunicado.

Raúl Castro reitera o "mais firme respaldo" de Cuba "ao Governo legítimo do companheiro Evo Morales, eleito e ratificado por grande maioria" e a "solidariedade" de seu país com a Bolívia.

O chefe de Estado, de 77 anos, disse ainda: "Cuba está disposta a continuar cooperando de maneira desinteressada com o Governo e com o povo da Bolívia, onde se encontram trabalhando colaboradores cubanos que estão total e exclusivamente dedicados a impulsionar programas de saúde e educação em benefício desse povo irmão". EFE rmo-jlp/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG