Ralph Fiennes admite se sentir fascinado pela escuridão do ser humano

Londres, 28 out (EFE) - O ator britânico Ralph Fiennes afirmou hoje em Londres que se sente fascinado pela escuridão da natureza humana, presente em todas as pessoas, e que busca isso em seus personagens. Domingo à noite, no Festival de Cinema de Londres, Fiennes recebeu o prêmio Variety UK Achievement Film Award por sua contribuição artística à indústria do cinema e sua reputação irrepreensível na dedicação à arte da interpretação. O protagonista de O Paciente Inglês explicou na cerimônia que só questionando e examinando seu lado obscuro é possível entender o ser humano, que não é bom ou mau, mas tem dúvidas e pode mudar. Fiennes disse que o trabalho do ator consiste em interpretar uma história de modo a que desperte curiosidade na platéia, que faça mudar algo em seu interior, não pregando, mas convidando à reflexão. É o elemento da confusão que gera perguntas sobre o que tem valor no cinema, destacou. O intérprete de O Jardineiro Fiel, que se considera muito sortudo por ter interpretado personagens diferentes e ter podido fugir do papel único, afirmou que um ator nunca deixa de aprender. Apesar de estar ligado ao cinema há quase 20 anos, o ator não hesita em interromper seus projetos para a telona quando acha uma peça teatral que o interessa. Gosto de atuar com o público ao vivo. Posso sentir a energia no ar enquanto falo e me ouvem, e isso para o drama é muito poderoso, destacou.

EFE |

Fiennes, que pode ser visto no National Theatre de Londres na obra "Oedipus", disse que ama o teatro até quando sabe que pode fracassar.

O ator, indicado duas vezes ao Oscar, destacou que, em um palco, não se pode "manipular a percepção" do espectador, como faz um diretor no cinema, graças a recursos como a edição e a música.

"Sobre o palco, somos o que somos no momento, isso não pode ser mudado", destacou Fiennes, que disse que a magia do teatro reside em que se pode "capturar o espírito do ator".

No entanto, a "adrenalina" do cinema também lhe seduz, da mesma forma que sua eternidade, mas reconheceu que "reza" antes de ouvir a palavra "ação" para estar inspirado e interpretar com sucesso a cena.

Fiennes, que participou recentemente nos filmes "A Duquesa", "The reader", "The Hurt Locker" e "Na Mira do Chefe", elogiou alguns de seus companheiros de profissão, como William Hurt, Juliette Binoche e Julianne Moore.

Lembrou ainda o "fantástico" diretor Anthony Minghella, morto este ano, com quem trabalhou em "O Paciente Inglês" e de quem disse que era uma pessoa "extremamente sensível" e "muito pouco corrente".

EFE vmg/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG