Radiação elevada em água estava errada, afirma usina

Empresa responsável por Fukushima pede desculpas pelo erro na medição divulgada pela Agência de Segurança Nuclear do Japão

iG São Paulo |

A Agência de Segurança Nuclear do Japão divulgou neste domingo que água encontrada junto do reator 2 da usina nuclear de Fukushima Daiichi, no leste do Japão, apresenta um nível de radiação 10 milhões de vezes maior do que o normal. A direção da usina, no entanto, disse que a medição estava errada e pediu desculpas à população.

“Este número não é crível. Lamentamos muito”, disse o Takashi Kurita porta-voz da Tokyo Electric Power Company (Tepco), empresa que administra a usina. Kurita disse que novas amostras estão sendo coletadas, mas não informou quando os resultados serão divulgados.

Devido ao suposto aumento no nível de radiação em Fukushima, os funcionários que tentavam bombear a água para fora do reator 2 foram retirados do local, para evitar exposição à radiação.

Os funcionários ainda não sabem de onde a água radioativa está vindo. Mas o porta-voz do governo Yukio Edano disse que é "quase certo" que a água esteja vazando de dentro do reator.

O terremoto, que foi seguido de um tsunami, causou graves danos na usina, que teve o sistema de refrigeração dos reatores desligado. Isto traz grande risco de vazamento de material radioativo no local.

Água do mar

A Agência de Segurança Nuclear informou ainda que o nível de radiação na água do mar próximo à usina aumentou para 1.850 vezes acima do normal. Nesse sábado, o nível era de 1.250 vezes além do limite permitido em lei.

No sábado, a agência afirmou que estes níveis de radiação não trariam risco em um período superior a oito dias. No entanto, segundo o repórter da BBC, o aumento da radioatividade em poucas horas já causa preocupação - ainda mais porque a origem do vazamento é desconhecida.

A identificação da origem do vazamento de água contaminada continua sendo a maior prioridade das equipes em Fukushima, segundo afirmou a agência. Existe a suspeita de que a água radioativa esteja saindo dos reatores e indo diretamente ao mar.

Por outro lado, as autoridades dizem que os níveis de radiação no ar próximo à usina estão em queda.

O governo também se desculpou pela falta de informações detalhadas para as pessoas que moram nas áreas mais próximas de Fukushima, mas afirmou que não existe necessidade imediata de estabelecer uma zona de evacuação no local.

Resfriamento

A Tokyo Electric Power Company (Tepco) afirma que continua trabalhando para restabelecer a energia elétrica e para religar o sistema de resfriamento nos reatores.

No entanto, a companhia alega que os altos níveis de radiação no local estão tornando mais lento o progresso dos trabalhos.

Os trabalhadores da Tepco continuam bombeando água fresca para dentro dos reatores 1, 2, 3 e 4, na tentativa de conter o derretimento dos cilindros de material radioativo.

Pesquisa

Uma pesquisa realizada pela agência de notícias Kyodo, divulgada neste domingo, aponta que 58,2% dos entrevistados desaprova a maneira como o governo japonês respondeu à crise nuclear, enquanto 39,3% aprovaram as ações das autoridades.

Por outro lado, 57,9% das pessoas consultadas aprovam a maneira como o Estado lidou com a ajuda às vítimas do terremoto e do tsunami do último dia 11. Já foram confirmados mais de 10 mil mortos pela tragédia. Os desaparecidos chegam a 18 mil.

Ainda segundo a pesquisa, o nível de aprovação do primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, chegou a 28,3%, um aumento de 8,4 pontos percentuais em relação ao levantamento passado, realizado antes do terremoto.

* Com BBC Brasil, AP e Reuters

    Leia tudo sobre: terremojapãotsunamicrise nuclearFukushima

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG