Rachadura causada por terremoto fecha monumento em Washington

Com 170 metros de altura, Washington Monument está fechado para visitantes para que autoridades avaliem dano na parte superior

iG São Paulo |

AP
Policiais são vistos em frente ao Washington Monument, na capital dos EUA
O monumento dedicado ao ex-presidente americano George Washington (1789-1797) na capital dos Estados Unidos permanece fechado ao público nesta quarta-feira, um dia após um terremoto de 5,8 graus atingir a região da Virgínia. Especialistas avaliam danos causados ao chamado Washington Monument após uma rachadura ter sido detectada na parte superior.

O monumento é o primeiro do passeio conhecido como National Mall, uma esplanada onde os Estados Unidos lembram sua história com imponentes monumentos dedicados aos ex-presidentes Abraham Lincoln (1861-1865) e Thomas Jefferson (1801-1809) e aos mortos na Segunda Guerra Mundial, na Coreia e no Vietnã.

Pouco depois do terremoto, que não causou mortes ou danos grave, mensagens circularam pela rede social Twitter com especulações de que o monumento de 170 metros de altura tinha seriamente abalado. As autoridades desmentiram o boato.

Nesta semana foi aberto ao público, também no National Mall, o monumento nacional a Martin Luther King , que não sofreu danos durante o terremoto. Porém, a passagem do furacão Irene , que avança pelo sul da costa leste dos EUA, pode adiar a inauguração oficial do monumento no próximo domingo. Durante a cerimônia, está previsto um discurso do presidente americano Barack Obama.

A Catedral de Washington e a embaixada do Equador foram os dois prédios mais prejudicados pelo terremoto, segundo relatório preliminar dos bombeiros.

Uma das torres centrais da catedral sofreu danos com a queda de três pináculos pelo tremor. Na embaixada equatoriana, três chaminés caíram e causaram fendas no interior do prédio, que permanece fechado e isolado, enquanto a estrutura é examinada.

Mais fortes desde 1897

O terremoto que atingiu a costa leste dos EUA na terça-feira foi o mais intenso registrado desde 1897 nessa área, informou o Instituto Geológico dos EUA (USGS, na sigla em inglês). O organismo indica que, apesar de os terremotos no centro e leste do país serem menos frequentes que no litoral oeste, costumam ser mais fortes e em uma região muito mais ampla.

O epicentro foi registrado a quase 6 quilômetros de profundidade e a uma distância de 15 quilômetros da localidade de Mineral, no Estado da Virgínia. O tremor também foi sentido em cidades como Nova York e Washington.

Desde 1774, há registros de que os habitantes do centro da Virgínia sentiram pequenos tremores e sofreram danos de pouca consideração. O abalo mais recente foi em dezembro de 2003 e teve uma magnitude de 4,5 graus.

O incidente desta terça-feira ocorreu em uma conhecida zona sísmica na região central da Virgínia, disse Dave Russ, do USGS, mas sua força foi um pouco surpreendente. Um tremor de magnitude similar, de 5,9 graus, ocorreu em 1897 perto de Blacksburg, segundo Russ.

A zona central sísmica da Virgínia está longe dos limites da placa tectônica mais próxima, que estão no centro do Oceano Atlântico e o Mar Caribe. No entanto, o USGS afirma que nessa região se sentem pequenos terremotos a cada um ou dois anos, que causam pouco ou nenhum dano.

Com EFE e AP

    Leia tudo sobre: euaterremotowashingtontremornova yorkcosta leste

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG