Rabinato de Israel rompe relações com a Santa Sé

Jerusalém, 28 jan (EFE).- O Rabinato de Israel cortou todos os seus laços com a Santa Sé de forma indefinida em protesto pela decisão do papa Bento XVI de revogar a excomunhão de um bispo lefebvriano que nega o Holocausto.

EFE |

Em uma carta enviada à Santa Sé por seu diretor geral, Oded Weiner, o Rabinato comunica sua indignação pela reabilitação do bispo britânico Richard Williamson e suspende um encontro entre judeus e cristãos programado para o início de março, publica hoje o jornal "Jerusalem Post".

"Sem uma desculpa pública será difícil continuar com este diálogo", afirma a carta de Weiner, que vazou antes de chegar à Santa Sé.

O encontro devia acontecer entre os dias 2 e 4 de março em Roma entre o Rabinato, entidade oficial em Israel, e a Comissão da Santa Sé para as Relações Religiosas com o Judaísmo, presidida pelo cardeal Walter Casper.

Em declarações ao jornal, seu colega na Comissão israelense paralela, o rabino Shear Yashuv Cohen, se mostrou esperançoso de que o bispo corrija suas posturas antes de voltar ao diálogo inter-religioso.

Williamson descartou recentemente a possibilidade de que seis milhões de judeus tenham sido mortos pelos nazistas durante a Segunda Guerra Mundial, e estimou que no máximo havia "entre 200 mil e 300 mil mortos em campos de concentração, mas nenhum em câmaras de gás". EFE elb/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG