Wall Street Journal é acusado de fazer campanha contra Justiça de Cingapura - Mundo - iG" /

Wall Street Journal é acusado de fazer campanha contra Justiça de Cingapura

Kuala Lumpur, 4 nov (EFE).- O procurador-geral de Cingapura, Walter Woon, acusou hoje o Wall Street Journal de fazer uma campanha contra o Poder Judiciário da cidade-estado, motivo pelo qual justificou seu processo por difamação contra a publicação econômica.

EFE |

Durante o julgamento por meio do qual são processados a empresa editora do jornal na Ásia e dois de seus redatores-chefe, Woon afirmou que a liberdade de expressão é respeitada em Cingapura sempre que as críticas são construtivas, e não ataques às instituições, segundo a imprensa local.

O procurador-geral se referiu a dois editoriais recentemente publicados pelo jornal, nos quais, segundo ele, colocava-se em dúvida a independência do Poder Judiciário na cidade-estado.

Woon disse ser apropriado que o jornal pague uma "indenização substancial" aos líderes de Cingapura, mas assegurou não desejar inviabilizar financeiramente o Dow Jones, proprietário do "Wall Street Journal".

Já o advogado de defesa, Philip Jeyaretnam, argumentou que ambos os artigos eram peças de opinião escritas em um tom coloquial que não deveriam ser interpretadas como desrespeitosas.

Jeyaretnam é filho do histórico líder opositor J.B. Jeyaretnam, primeiro político a conseguir uma cadeira no Parlamento à margem do governante Partido de Ação Popular (PAP) e que morreu mês passado aos 82 anos.

As autoridades de Cingapura, governada desde a independência em 1965 pelo PAP, fundado por Lee Kuan Yew, exercem um ferrenho controle sobre a imprensa local, que está sujeita à censura prévia, e sobre estrangeiros, aos quais declaram guerra nos tribunais caso sejam criticadas.

Por várias vezes o Governo reclamou de publicações quando estas questionavam a independência do sistema judiciário cingapuriano ou acusavam a dinastia Lee - a que o atual primeiro-ministro, Lee Hsien Long, pertence - de corrupção.

Cingapura defende sua dura postura contra a dissidência política, argumentando que é necessária para garantir a estabilidade que permitiu à cidade-estado conseguir o nível de desenvolvimento que a transformou na economia mais avançada da região. EFE snr/fh/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG