Videocracy revela obsessão pela imagem na Itália de Berlusconi - Mundo - iG" /

Videocracy revela obsessão pela imagem na Itália de Berlusconi

Miguel Cabanillas. Veneza (Itália), 4 set (EFE).- O polêmico documentário Videocracy, apresentado quarta-feira no Festival Internacional de Cinema de Veneza, revela a obsessão e o poder da imagem em uma Itália criada, segundo seu autor, pelo império midiático do primeiro-ministro Silvio Berlusconi.

EFE |

O ítalo-sueco Erik Gandini é o criador desta obra de 85 minutos de duração que viaja pelo poder audiovisual de Berlusconi e por sua influência no país, fazendo com que a fama seja o objetivo de vida de grande parte da população.

A figura de Berlusconi como político e proprietário das três redes de televisão privadas mais importantes da Itália é presente em todo o filme, que chega a Veneza depois de seu trailer ter sido vetado no canal estatal "Rai" por "críticas a uma facção política", o que gerou muita polêmica na Itália.

"Quando li a carta com as motivações da 'Rai' ao veto, parecia um texto de (George) Orwell. Quanto mais lia, mais inconformado me sentia", afirmou Gandini durante a entrevista coletiva de apresentação do documentário.

"Depois, pensei que meu filme subvalorizou a situação que existe de verdade na Itália. Tenho a sensação de que há uma guerra aberta contra a liberdade de expressão", opinou o cineasta.

O próprio veto da emissora pública ao trailer do documentário, além dos que foram impostos pelos canais privados controlados pela Mediaset, o grupo empresarial de Berlusconi, aumentou ainda mais a curiosidade em torno de "Videocracy".

Gandini mostra, por exemplo, os concursos dos quais muitas italianas participam em shoppings do país para virarem uma "velina", nome dado às bonitas jovens que dançam na TV italiana para atrair a atenção dos telespectadores.

Nascido na Itália, mas residente na Suécia, o diretor denuncia como nos últimos 30 anos a televisão da Itália se transformou em uma vitrine para corpos femininos e o objetivo de vida de jovens mulheres, que vão a festas em busca da fama.

"Cada vez que volto à Itália, ligo a televisão e fico triste.

Bom, mais que triste, fico com medo", explicou Gandini.

"Quando meus amigos na Suécia veem isto, riem da Itália, riem muito da televisão e de Berlusconi. Me dá tristeza esta ideia de comédia que se tem do país", acrescentou.

A história de "Videocracy" é, segundo Gandini, a de um país no qual a imagem tem muito mais poder do que as palavras, algo que ficou claro com a polêmica gerada por seu trailer. Para ele, a mesma mensagem do filme em preto e branco não teria tido tal impacto.

Mas a polêmica não está só no trailer. Gandini recolhe o testemunho de Lele Mora, empresário de famosos e amigo de Berlusconi em sua mansão durante uma reunião informal de celebridades da televisão italiana na qual o anfitrião se orgulha de ser seguidor do ex-ditador Benito Mussolini.

Mora não é o único personagem popular italiano que aparece na produção. Outro é o fotógrafo Fabrizio Corona, amigo do empresário e que se autoproclama como o novo Robin Hood ao pedir dinheiro aos famosos em troca de não publicar fotos comprometedoras, conduta que o levou à Justiça em mais de uma ocasião.

"Eles dois são pessoas que estão muito habituadas a se expor.

Estava muito interessado neles porque me permitiam entender o sistema que está acima", explicou o diretor.

Por trás desse sistema está, segundo "Videocracy", o primeiro-ministro da Itália, cuja máxima é o sorriso, "fachada de um sistema político que está muito ligado ao entretenimento", diz o filme.

"Aqui, se divertir é uma religião. Parece que é a única coisa importante para um italiano. O banal se transformou em uma arma do poder", aponta Gandini. EFE mcs/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG