A gigantesca revolução cultural protagonizada pelo site de buscas Google fez com que o mesmo recebesse hoje o Prêmio Príncipe de Astúrias de Comunicação e Humanidades 2008.

O júri, que emitiu sua decisão hoje às 12h hora local (7h de Brasília) na cidade de Oviedo (Espanha), destacou que o site criado por Sergey Brin e Larry Page tornou possível em dez anos "uma gigantesca revolução cultural e permitiu o acesso generalizado ao conhecimento".

"Desta forma, o Google contribui decisivamente com o progresso dos povos, acima de fronteiras ideológicas, econômicas, lingüísticas e raciais", destaca o texto.

O júri, presidido pelo catedrático espanhol Manuel Olivencia, declarou que o site de buscas criado por Brin e Page tornou possível, em menos de uma década, "uma gigantesca revolução cultural e permitiu o acesso generalizado ao conhecimento".

A criação do Google representou uma mudança rápida e profunda no acesso a todo tipo de conteúdo, "reinventado os princípios técnicos pelos quais eram regidos os sites de busca", destacou o júri.

Presente em todo o mundo, o Google atende centenas de milhões de pedidos por dia e realiza buscas sobre milhões de sites e milhões de imagens.

O site de buscas foi criado há dez anos por Brin e Page, que conseguiram, segundo os jurados, colocar a mais inovadora tecnologia a serviço do conhecimento, batendo todos os recordes de efetividade.

Recentemente, a Google adquiriu o site YouTube e a DoubleClick, a agência internacional líder de publicidade online.

Juntamente com a Unesco iniciou o Projeto de Alfabetização que, através da busca de livros, textos acadêmicos e material didático reunido em um site, tem como objetivo estimular a leitura e a educação em todo o mundo.

O buscador também iniciou, através de sua filial Google.org, um trabalho filantrópico no qual destina parte de seu lucro à ajuda ao desenvolvimento e projetos ambientais.

O Google venceu na última rodada de votações a agência fotográfica Magnum, que foi finalista nas três últimas edições do prêmio.

Ao prêmio, que oferece 50 mil euros e a reprodução de uma estatueta desenhada por Joan Miró, concorriam 25 candidaturas.

Além de Manuel Olivencia, integravam o júri o presidente da Agência Efe, Álex Grijelmo, os escritores Rosa Montero e Manuel Lombardero, os editores Hans Meinke e Beatriz de Moura e o presidente da emissora "Telecinco", Alejandro Echevarría, entre outros.

Nas últimas edições, o prêmio de Comunicação foi para o jornalista polonês Ryszard Kapuscinski, o escritor italiano Umberto Eco e o Instituto Caro y Cuervo de Colombia.

Também foram agraciados o jornalista francês Jean Daniel, a National Geographic Society e as revistas científicas "Science" e "Nature", que obtiveram o prêmio conjuntamente em 2007.

Da edição de 2008 já foram decididos o prêmio de Cooperação Internacional, que foi para quatro organizações que lideram a luta contra a malária na África, e o de Artes, oferecido às Orquestras Juvenis e Infantis da Venezuela.

Na semana passada foi concedido o Prêmio Príncipe de Astúrias de Pesquisa Científica e Técnica, obtido pela candidatura conjunta de cinco cientistas que trabalham na criação de novos materiais "fundamentais" para o desenvolvimento sustentável e a luta contra a pobreza.

Os prêmios, concedidos pela primeira vez em 1981, serão entregues no segundo semestre em Oviedo em cerimônia presidida pelo Príncipe de Astúrias, herdeiro da Coroa espanhola.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.