Paloma atingirá Cuba como ciclone extremamente perigoso - Mundo - iG" /

Paloma atingirá Cuba como ciclone extremamente perigoso

(acrescenta dados do boletim do NHC de 19h de Brasília) Miami, 8 nov (EFE) - O furacão Paloma atingirá Cuba como um ciclone extremamente perigoso de categoria 4 com ventos de 230 km/h, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC, em inglês).

EFE |

Após alcançar Cuba esta noite ou na madrugada de domingo, "Paloma", o oitavo furacão da temporada, perderá força rapidamente até se transformar em uma depressão tropical na terça-feira.

Em seu boletim de 19h (de Brasília), o NHC alertou do perigo das chuvas e ventos do "Paloma", que chegará a Cuba como um furacão de categoria 4 na escala de intensidade de Saffir-Simpson, de um máximo de 5.

Permanece em vigor um aviso de furacão para as províncias cubanas de Ciego de Ávila, Camagüey, Las Tunas, Granma e Holguin.

A esta hora, o olho de "Paloma" estava localizado perto da latitude 20,5 graus norte e da longitude 78,5 graus oeste, 120 quilômetros ao sudoeste de Camagüey, em Cuba, e 115 quilômetros ao sudoeste de Santa Cruz del Sur, também no país.

Os ventos de força do furacão "Paloma" se estendem a 45 quilômetros a partir do centro do ciclone e os com força de tempestade tropical chegam a 185 quilômetros.

O furacão se desloca em direção a nor-nordeste com uma velocidade de translação de 17 km/h e se espera um giro gradual a nordeste esta noite, até que vá reduzindo sua velocidade conforme entra em solo cubano.

Segundo um provável padrão de trajetória do NHC, o centro de "Paloma" passará hoje sobre as ilhas Cayman e alcançará Cuba nesta noite ou na madrugada de domingo.

Na atual temporada de furacões no Atlântico, que começou em 1º de junho e termina em 30 de novembro, foram formadas 16 tempestades tropicais e oito furacões, inclusive o "Paloma".

Os meteorologistas da Administração Nacional de Oceanos e Atmosfera (NOAA) previram que esta temporada será muito ativa, com a possível formação de 14 a 18 tempestades tropicais, das quais entre sete e dez poderão se transformar em furacões. EFE esc/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG