Jimena mantém periculosidade moderada no noroeste do México - Mundo - iG" /

Jimena mantém periculosidade moderada no noroeste do México

México, 3 set (EFE).- A tempestade tropical Jimena, que perdeu força nas últimas horas em sua passagem pelo noroeste do México, mantém um índice de periculosidade moderado em sua passagem pela península da Baixa Califórnia e frente ao estado de Sonora, informaram hoje o serviço meteorológico e a Defesa Civil.

EFE |

Em seu boletim das 7h30 (9h30 de Brasília), o Sistema Nacional de Defesa Civil localizou "Jimena" sobre o mar de Cortés, 55 quilômetros ao nor-noroeste de Santa Rosalía, no estado de Baixa Califórnia Sul, e 75 quilômetros ao sudeste do município de Ensenada, no estado da Baixa Califórnia.

Naquele momento, a tempestade estava também 135 quilômetros ao oés-sudoeste do Puerto San Carlos, no estado de Sonora, para onde se desloca a 10 km/h, com ventos sustentados de 85 km/h e sequências de 105 km/h.

Esta manhã, continuam em alerta vermelha (perigo máximo) por causa da tempestade apenas três dos cinco municípios da Baixa Califórnia Sul - Comondú, Loreto e Mulegé -, e em nível "laranja" (perigo alto) os de Huatabampo e Pitiquillo, no estado de Sonora, e a área mais meridional de Ensenada, na Baixa Califórnia.

A tempestade tropical "continua perdendo força gradualmente, devido ao atrito com a zona montanhosa" da península de Baixa Califórnia.

Após ter castigado nas últimas horas essa zona do noroeste do México, "Jimena", que chegou a ser um furacão de categoria cinco na escala Saffir-Simpson, antes de perder força, atingir terra e enfraquecer definitivamente, se dirige agora para Sonora.

Nas próximas horas, a previsão do Serviço Meteorológico Nacional (SMN) é que os ventos da tempestade diminuam ainda mais, para 65 km/h, e que as sequências alcancem os 85 km/h.

"Jimena" foi o primeiro furacão da temporada no Pacífico mexicano e, segundo dados preliminares não deixou em sua passagem feridos ou vítimas fatais, mas danos materiais em zonas como o município de Comondú. EFE act/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG