Gustav atinge Haiti após passar por R. Dominicana sem deixar grandes danos - Mundo - iG" /

Gustav atinge Haiti após passar por R. Dominicana sem deixar grandes danos

Santo Domingo, 26 ago (EFE).- O furacão Gustav, de categoria um, atingiu hoje o Haiti em seu percurso pelo Caribe após passar pelo sul da República Dominicana, onde não causou danos graves, mas gerou chuvas abundantes no sudoeste.

EFE |

Os ventos e as chuvas provocadas por "Gustav" ainda não eram sentidas com intensidade no começo da tarde no sudoeste haitiano, mas as autoridades tinham os dispositivos de segurança prontos e pediam à população prudência extrema.

De fato, o Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados Unidos anunciou que o furacão, terceiro da temporada no Atlântico, se enfraqueceu após atingir a costa no Haiti, com uma redução da velocidade de seus ventos máximos sustentados de 150 para 120 km/h.

No entanto, os meteorologistas do centro com sede em Miami acreditam que o furacão ganhará intensidade assim que voltar a se movimentar sobre as águas quentes do Caribe, o que deve acontecer ainda esta noite.

Sua chegada ao Haiti ocorre pouco mais de uma semana depois da passagem da tempestade tropical "Fay", que deixou sete mortos neste país e cinco na República Dominicana.

O surgimento do fenômeno gerou a preocupação dos habitantes do sudoeste haitiano e muitos deles tentavam se abastecer com provisões perante a situação incerta.

"Pais de família estão buscando comida para comprar", disse à Agência Efe uma fonte local contatada por telefone.

Segundo a fonte, as emissoras de rádio locais multiplicaram os pedidos por prudência e as escolas e igrejas deixaram suas portas abertas para acolher quem pudesse necessitar de refúgio.

O escritório local da Defesa Civil do Haiti assegurou que está preparada para enfrentar uma situação de catástrofe e dispõe de 30 albergues no sudoeste. "Estamos encorajando a população de zonas vulneráveis a irem" para os refúgios, declarou à Efe seu diretor, Sylvera Guillaume.

O alerta vermelho foi decretado para as províncias oeste e sul, enquanto o laranja se mantém no resto do Haiti.

A República Dominicana, também na zona sudoeste, que compreende as províncias de Barahona, Pedernales e Independencia, foi a que mais sentiu os efeitos da chuva.

Na República Dominicana tinham sido evacuadas hoje 4.250 pessoas e declarado o alerta vermelho em 19 de suas 32 províncias.

O diretor da Defesa Civil Luis Luna Paulino disse à Efe que nenhum morto nem ferido foi registrado e acrescentou que os mecanismos de prevenção estavam em alerta perante possíveis inundações e deslizamentos de terra.

"O perigo para nós são as inundações, as elevações dos rios e os deslizamentos de terra", explicou.

As autoridades, que ordenaram a suspensão das aulas nas províncias em alerta vermelho, também abriram as comportas de várias represas para evitar problemas de transbordamento.

O olho de "Gustav", o terceiro ciclone da temporada de furacões no Atlântico, estava perto da latitude 18,4 graus norte e da longitude 73,2 graus oeste, a cerca de 95 quilômetros do oeste sudoeste de Porto Príncipe, no Haiti, e 290 quilômetros ao sudeste de Guantánamo, em Cuba, segundo o boletim das 18h (Brasília) do NHC.

Dirige-se em direção ao noroeste a 17 km/h e está previsto que gire rumo a oeste-noroeste na quarta-feira.

Seguindo essa trajetória, o centro do furacão deve se dirigir ao sudeste de Cuba amanhã.

O furacão causará chuvas torrenciais no Haiti, República Dominicana, no leste de Cuba e na Jamaica, que por sua vez podem ocasionar perigosos deslizamentos de terra, além de ondas violentas, apontou o NHC.

Para Cuba o fenômeno se "tornou bastante perigoso", disse o diretor de previsões do Instituto de Meteorologia desse país, José Rubiera.

Já o Governo da Jamaica, pediu à população que se prepare para enfrentar o furacão.

"A ilha pode começar a experimentar condições violentas nesta mesma noite", segundo o Centro Meteorológico Nacional da Jamaica.

As autoridades jamaicanas solicitaram à população que reside nas zonas mais vulneráveis que evacuem com urgência suas casas e busquem refúgio nas igrejas que atuam como albergues. EFE gp/bm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG