BRASÍLIA (Reuters) - O presidente do Paraguai, Fernando Lugo, afirmou nesta quinta-feira em visita ao Brasil que não interessa aos países da América do Sul ter um vizinho pobre. Lugo, que ainda será recebido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, veio a Brasília para discutir entre outros temas o contrato de utilização da energia da usina hidrelétrica de Itaipu, empreendimento conjunto do Brasil e do Paraguai. O governo brasileiro tem negado a renegociação do contrato, e oferecido outras benesses ao Paraguai para tentar evitar o rompimento do acordo.

"A ninguém convém ter um vizinho pobre", afirmou Lugo em encontro com o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), ao qual a imprensa teve acesso. "Creio que a todos convém crescer juntos. Creio que esta é a aposta que hoje fazemos na América Latina", acrescentou Lugo, afirmando que o Brasil foi um dos parceiros que ajudou a incentivar a economia paraguaia.

O senador, por sua vez, também incentivou a parceria entre os dois países. "Devemos lutar para crescer juntos. Devemos sempre buscar pontos de convergência nas nossas divergências", disse Sarney.

O presidente do Senado minimizou a diferença entre os tamanhos dos dois países. "O futuro não será dos países grandes ou pequenos, mas dos que dominam a tecnologia ou não."

Antes, em reunião com o presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), Lugo ainda comentou o processo de integração regional.

"Problemas e dificuldades que temos são desafios que temos que enfrentar com coragem", disse.

O presidente paraguaio tratou também do caso dos "brasiguaios", brasileiros que vivem no país vizinho e que enfrentam resistência da população local. "Damos grande valor aos brasileiros que residem na nossa zona fronteiriça, mas temos dificuldades. Temos que trabalhar juntos e o diálogo é a melhor arma para solucionar os grandes e os pequenos problemas."

(Reportagem de Fernando Exman)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.