mentiras - Mundo - iG" /

Quito rejeita versão de Bogotá e ameaça Uribe a demonstrar mentiras

Quito, 13 abr (EFE).- O Governo do Equador rejeitou hoje um pronunciamento da Colômbia, que advertia sobre a suposta desautorização às Forças Armadas equatorianas para que combatam as Farc e ameaçou o presidente colombiano, Álvaro Uribe, que demonstre tal afirmação em um máximo de 48 horas.

EFE |

O ministro da Defesa equatoriano, Javier Ponce, em uma declaração de imprensa na Base Aérea de Quito, qualificou a versão de Bogotá de "uma nova mentira do Governo do presidente Álvaro Uribe, em sua tentativa caluniosa por vincular o Equador e por vincular o Governo equatoriano com as Farc".

"Neste caso, a audácia do Governo de Uribe, através de sua sala de imprensa, chegou a afirmar que o Governo colombiano soube que as Forças Armadas do Equador foram desautorizadas pelo presidente (equatoriano) Rafael Correa, quando antecipavam operações contra as Farc em território nacional", disse Ponce.

"Ameaçamos o Governo do presidente Uribe a demonstrar, nas próximas 48 horas, que esta afirmação é verdadeira, que esta afirmação tem algum fundamento e de que fonte ela procede", afirmou o ministro.

"Se em 48 horas o Governo do presidente Uribe não demonstrar a afirmação que acaba de fazer, novamente se parecerá com um regime mentiroso", disse Ponce, que tomou posse do cargo na quarta-feira passada.

"O pronunciamento de Bogotá não procura outra coisa além de criar desconfiança entre as Forças Armadas equatorianas e o Governo equatoriano", sustentou Ponce em sua declaração, feita junto à cúpula militar do país.

Segundo Ponce, as Forças Armadas e o Governo equatoriano "estão estreitamente unidos para enfrentar esta campanha midiática do Governo colombiano" que, segundo sua avaliação, tenta por essa via desacreditar Correa e justificar a violação da soberania nacional cometida por suas tropas no dia 1º de março.

Para Ponce, o último pronunciamento de Bogotá pretenderia afetar a proposta equatoriana de criar uma Organização de Estados Latino-americanos (OEL), para que resolva casos como os que enfrentam Equador e Colômbia.

"Reiteramos, portanto, nossa rejeição a todo ato de violação da soberania equatoriana e denunciamos que estes pronunciamentos do Governo colombiano ocorrem em momentos em que o Governo do Equador está propondo, aos Governos da região, criar a Organização de Estados Latino-americanos", destacou Ponce. EFE fa/tg

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG